sicnot

Perfil

Economia

STE diz que Governo está a queimar etapas ao rejeitar aumentos antes de 2018

A presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado, Helena Rodrigues, considerou esta segunda-feira que o primeiro-ministro está a "queimar etapas" quando afirma que os aumentos na função pública só se irão verificar em 2018.

"Nós ainda não iniciamos as negociações, e eu não admito isso como certo. Nós apresentamos as reivindicações anuais e agora queremos que se inicie o processo negocial para ficarmos a perceber. O primeiro-ministro está a queimar etapas. Nós apresentamos propostas e agora esperamos a contra proposta", disse à Lusa Helena Rodrigues, quando questionada sobre as declarações do primeiro-ministro, António Costa, na entrevista ao Público.

Na entrevista, o primeiro-ministro disse que a reposição de salários da função pública fica concluída este mês, mas que só em 2018 está previsto retomar "atualizações" e "encarar questões de fundo relativamente às carreiras".

"Concluímos agora, no mês de outubro, a reposição integral dos salários. Significa que em 2017 os funcionários públicos ganharão durante 14 meses o que ganharam só durante três meses deste ano. É sabido que o nível de inflação está baixo e que em 2018 temos previsto retomar as atualizações, bem como encarar as questões de fundo relativamente às carreiras", disse António Costa ao Público.

Helena Rodrigues disse não querer "admitir" a posição do primeiro-ministro porque as negociações coletivas ainda não começaram, acrescentando que, se o objetivo do Governo "era devolver" salários e rendimentos aos trabalhadores e aposentados, "não se percebe como é que o vai conseguir".

"O primeiro-ministro está a esquecer que, se ficarmos este ano com o mesmo que tínhamos em 2009, vamos continuar a perder. Ou seja, continua a haver um corte, ainda que não seja de forma direta em termos remuneratórios", sublinhou a presidente do STE, recordando que a proposta de aumentos, que já foi entregue pelo sindicato, se situa nos 2% (termos nominais).

"Nós pedimos 2%, o que em termos reais ficará abaixo de 1%. Se calhar, com a inflação prevista para 2017 ainda se pode verificar uma perda real de salário. Não estou a ver o que o primeiro-ministro quer dizer", concluiu.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.