sicnot

Perfil

Economia

TAP lança 11 novas rotas em 2017 sobretudo para a Europa

© Jacky Naegelen / Reuters

A TAP vai ter 11 novas rotas em 2017. Sete são na Europa, três em África e uma na América do Norte, anunciou esta terça-feira o presidente executivo, Fernando Pinto.

Num encontro com os trabalhadores, na sede da TAP, em Lisboa, com o objetivo de dar a conhecer os planos para o futuro da transportadora, Fernando Pinto explicou que o lançamento das novas rotas, que deverá acontecer "em princípio no verão", faz parte da estratégia de crescimento da transportadora privatizada.

O presidente da TAP admitiu que entre os novos destinos na Europa estão cidades para onde a companhia já voou no passado, escusando revelar quais as rotas por razões de "concorrência".

No próximo ano, a TAP pretende ainda reforçar a operação nas regiões autónomas, no Porto, em Lisboa e em Faro, "devido ao crescimento do turismo em Portugal", anunciou Fernando Pinto.

Na apresentação aos trabalhadores, o gestor referiu ainda a intenção de relançar rotas no Brasil, que tiveram uma redução das frequências motivada pela instabilidade política e económica daquele que é o principal mercado da TAP, que foi também muito impactado pela desvalorização do real.

Segundo Fernando Pinto, este reforço da TAP só é possível graças ao investimento na frota, através da renovação de interiores de 48 aviões, orçamentada em 70 milhões de euros, e na aquisição de aviões.

O terceiro pilar para o crescimento da TAP assenta na maior segmentação das tarifas, o que já tinha sido anunciado pela companhia, oferecendo "produtos para todos os que queiram viajar com a TAP", no sentido de competir com as companhias de baixo custo ('low cost').

Fernando Pinto considerou que é inevitável comparar os custos da TAP com as companhias low cost: "Temos que nos comparar com as low cost. Temos que nos aproximar, mas não queremos ser uma empresa low cost".

"O nosso nicho é diferente, mas temos que ter condições de competir", acrescentou.

O processo de privatização da TAP está em curso, com o acordo de compra e venda de ações da TAP, assinado pelo Governo de António Costa e que permite ao Estado ficar com 50% de ações da transportadora aérea, depois de já ter recebido luz verde da Autoridade da Concorrência, faltando ainda a reestruturação da dívida com a banca e a aprovação pelo supervisor da aviação (ANAC).

Neste modelo, o consórcio Atlantic Gateway, de Humberto Pedrosa e David Neeleman, fica com 45%, podendo chegar aos 50% com a aquisição de 5% do capital que será entretanto colocado à disposição dos trabalhadores.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.