sicnot

Perfil

Economia

Perdão de juros não é "perdão fiscal"

O executivo recusa a ideia ter aprovado um perdão fiscal. Em comunicado, defende que com o regime especial aprovado ontem, "as empresas e particulares terão de pagar todos os impostos em dívida".

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira um regime especial para reduzir as dívidas fiscais e à Segurança Social, podendo os contribuintes ficar isentos de juros se pagarem toda a dívida ou beneficiarem de reduções se optarem pelo pagamento em prestações.

Este anúncio levou o PSD, maior partido da oposição e que sustentou o anterior executivo, juntamente com o CDS-PP, a considerar que, com a aprovação deste regime especial, o Governo "reconheceu (...) que necessita de uma receita extraordinária".

Num comunicado divulgado ontem à noite, o Governo nega uma alegado "perdão fiscal" e afirma que "as empresas e particulares terão de pagar todos os impostos em dívida" e que "as empresas e particulares que aderirem a este plano apenas poderão pagar a prestações e ter isenção de juros de dívida e custas processuais".

Por outro lado, acrescenta que objetivo do regime especial "não é o encaixe financeiro, mas preparar as empresas para se recapitalizarem a partir de janeiro de 2017".

Os interessados têm até ao dia 20 de dezembro para aderir ao programa que foi aprovado em Conselho de Ministros. Têm duas hipóteses:

- ou pagam o que devem de uma só vez e ficam isentos de juros e de custas;

- ou pagam a prestações e, nesse caso, a redução dos juros será tanto maior quanto menor for prazo de pagamento.

Os números do Ministério das Finanças mostram que as dívidas ao fisco aumentaram em cerca de 2 mil milhões de euros só nos últimos três anos e que no total já vão nos 25 mil milhões.

Com Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.