sicnot

Perfil

Economia

Plano de pagamento de dívidas tem semelhanças com regime do Governo PSD/CDS

Plano de pagamento de dívidas tem semelhanças com regime do Governo PSD/CDS

O regime para a regularização de dívidas tem muitas semelhanças com o aplicado em 2013, pelo Governo anterior.

Na altura, foi muito criticado pelo Partido Socialista por ser uma forma de arrecadar receita para cumprir a meta do défice.

O pagamento dava direito à isenção de juros e custas, mas tinha de ser total, sem a possibilidade de prestações.

  • O que dizem os partidos sobre as facilidades fiscais
    1:26

    Economia

    O PS insiste que não há perdão fiscal e que a Galp será tratada como qualquer outro contribuinte. Os partidos mais à esquerda esperam que pequenos e grandes contribuintes tenham um tratamento diferente. Já o CDS quer mais esclarecimentos sobre a situação da Galp.

  • Galp fora do plano de pagamento de dívidas
    2:00

    Economia

    O Governo recusa a ideia de que está a avançar com um perdão fiscal e garante que é apenas um incentivo às famílias e às empresas para que possam saldar as dívidas ao fisco e à segurança social. De fora ficam as empresas como a Galp, que devem ao Estado contribuições extraordinárias.

  • "Parece-me óbvio que o Governo precisa de arrecadar dinheiro"
    4:38

    Opinião

    Sobre o novo plano do Governo para pagamento de dívidas ao Fisco e à Segurança Social, Bernardo Ferrão diz "na prática mantém-se a dívida e por isso não é um perdão fiscal". Mas o subdiretor de Informação da SIC considera também que o Governo de António Costa faz esta medida para "agradar Bruxelas e porque precisa".

  • "Quem deve vai ter que pagar"
    0:39

    Economia

    O primeiro-ministro, António Costa, garantiu hoje que o novo programa de incentivo ao pagamento das dívidas ao fisco e à Segurança Social é um alívio para as empresas, mas não é um perdão fiscal.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52