sicnot

Perfil

Economia

Plano de pagamento de dívidas tem semelhanças com regime do Governo PSD/CDS

Plano de pagamento de dívidas tem semelhanças com regime do Governo PSD/CDS

O regime para a regularização de dívidas tem muitas semelhanças com o aplicado em 2013, pelo Governo anterior.

Na altura, foi muito criticado pelo Partido Socialista por ser uma forma de arrecadar receita para cumprir a meta do défice.

O pagamento dava direito à isenção de juros e custas, mas tinha de ser total, sem a possibilidade de prestações.

  • O que dizem os partidos sobre as facilidades fiscais
    1:26

    Economia

    O PS insiste que não há perdão fiscal e que a Galp será tratada como qualquer outro contribuinte. Os partidos mais à esquerda esperam que pequenos e grandes contribuintes tenham um tratamento diferente. Já o CDS quer mais esclarecimentos sobre a situação da Galp.

  • Galp fora do plano de pagamento de dívidas
    2:00

    Economia

    O Governo recusa a ideia de que está a avançar com um perdão fiscal e garante que é apenas um incentivo às famílias e às empresas para que possam saldar as dívidas ao fisco e à segurança social. De fora ficam as empresas como a Galp, que devem ao Estado contribuições extraordinárias.

  • "Parece-me óbvio que o Governo precisa de arrecadar dinheiro"
    4:38

    Opinião

    Sobre o novo plano do Governo para pagamento de dívidas ao Fisco e à Segurança Social, Bernardo Ferrão diz "na prática mantém-se a dívida e por isso não é um perdão fiscal". Mas o subdiretor de Informação da SIC considera também que o Governo de António Costa faz esta medida para "agradar Bruxelas e porque precisa".

  • "Quem deve vai ter que pagar"
    0:39

    Economia

    O primeiro-ministro, António Costa, garantiu hoje que o novo programa de incentivo ao pagamento das dívidas ao fisco e à Segurança Social é um alívio para as empresas, mas não é um perdão fiscal.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.