sicnot

Perfil

Economia

Retroativos das pensões recalculadas vão ser pagos até final do ano

O pagamento dos retroativos das pensões recalculadas, conforme portaria publicada esta sexta-feira em Diário da República (DR), vai ser feito até ao final deste ano, disse fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social à agência Lusa.

A portaria permite revalorizar os salários que servem de base ao cálculo das pensões, o que tem por consequência o recálculo destas.

"É estimado que o recálculo e pagamento de retroativos ocorra, quer na segurança social, quer na Caixa Geral de Aposentações, até ao final do ano de 2016 (novembro ou dezembro)", especificou esta fonte.

Adiantou porém que "não resultam da revalorização salarial impactos relevantes no valor das pensões".

A Portaria 26/2016, hoje publicada em DR, "determina os valores dos coeficientes a utilizar na atualização das remunerações de referência que servem de base de cálculo das pensões de invalidez e velhice do sistema previdencial e das pensões de aposentação, reforma e invalidez do regime de proteção social convergente, decorrendo de um procedimento regular previsto na lei", ainda segundo a fonte ministerial.

"Nos termos da legislação em vigor serão recalculadas as 'novas' pensões de velhice e de invalidez do regime geral de segurança social, bem como todas as pensões de aposentação, reforma e invalidez do regime de proteção social convergente, ou seja, pensões com data de início desde 01 de janeiro deste ano", avançou.

A legislação em vigor estipula a fórmula que deve ser aplicada à revalorização das remunerações anuais relevantes para o cálculo da remuneração de referência, que é feita tendo por base a inflação apurada pelo INE sem habitação.

Lusa

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".