sicnot

Perfil

Economia

Produção autómovel continua a descer e setor critica lei portuguesa

O setor da construção automóvel registou em Portugal uma nova descida (-10,3%), pelo nono mês consecutivo, continuando "marcado por alguma instabilidade dos ritmos de produção", segundo um comunicado esta quarta-feira divulgado pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

A ACAP indicou que, em setembro, as várias unidades industriais da VW Autoeuropa, Peugeot Citroen, Mitsubishi Fuso Truck Europe e Toyota Caetano produziram no total 12.330 veículos, traduzindo uma queda de -16,3% relativamente ao período homólogo do ano anterior.

A propósito destas quedas na produção, a ACAP refere a "ausência de mecanismos" legais que "permitam uma maior flexibilização dos ritmos de trabalho".

"A produção automóvel é fortemente condicionada pela sazonalidade das encomendas, uma tendência que tem vindo a ser sentida pelas várias empresas a operar em território nacional, e que se veem em clara desvantagem competitiva em termos internacionais", lê-se no comunicado.

A associação argumenta ainda que o "défice de competitividade" no setor "afeta toda a economia", por ser responsável por 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB), 6,5% do emprego da indústria transformadora e 12,5% das exportações nacionais.

No mês passado, a ACAP assinalou uma quebra na produção de automóveis ligeiros de passageiros (23,2%) e de veículos pesados (-7,8%), havendo uma subida na produção de veículos comerciais ligeiros (4,4%).

Do total dos veículos produzidos, 97,5% destinaram-se à exportação, embora com um decréscimo de 15,6% face a igual mês do ano anterior.

Relativamente aos valores acumulados, nos nove primeiros meses de 2016, foram produzidos em Portugal 109.489 veículos automóveis, o que reflete uma diminuição de -10,3% no período homólogo de 2015, com a seguinte distribuição por categorias e tipos: 75.197 automóveis ligeiros de passageiros (-17,8% que em igual período do ano anterior), 31.183 veículos comerciais ligeiros (11,6%) e 3.109 veículos pesados (+15,6%).

Até setembro, as exportações nacionais ascenderam a 104.131 veículos, ou seja, menos 11,4% numa comparação homóloga do ano anterior, tendo representado 95,1 por cento do total da produção nacional.

Portugal exportou sobretudo para a Alemanha (23,3%) e para Espanha (16,3%).

Por regiões de destino, a Europa absorveu 90,7% das exportações nacionais de veículos automóveis, seguindo-se a Ásia (6,9%), com a China a dominar neste continente (6,3%). O continente africano adquiriu 1,9% das exportações nacionais.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.