sicnot

Perfil

Economia

Venda de bilhetes no Metro cresceu 88% no dia da manifestação dos taxistas

Venda de bilhetes no Metro cresceu 88% no dia da manifestação dos taxistas

No dia da manifestação dos taxistas em Lisboa, a venda de bilhetes do Metro cresceu 88%. Os dados foram avançados pelo ministro do Ambiente, ouvido esta manhã no Parlamento. João Matos Fernandes disse ainda que os alertas para a escassez de bilhetes já vinham sendo feitos desde 2011.

"A venda de bilhetes cresceu 88% nesse dia e demos resposta", disse o governante na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, onde está hoje a ser ouvido sobre os transportes públicos.

Na segunda-feira, os taxistas manifestaram-se em Lisboa contra a legalização das plataformas eletrónicas Uber e Cabify e, de acordo com o plano da marcha lenta divulgado pelos representantes do setor, eram expectáveis dificuldades na mobilidade na cidade.

O ministro respondia a questões colocadas pelo deputado do PCP Bruno Dias sobre o problema da falta de bilhetes Lisboa Viva nas máquinas de venda automática.

Afirmando que, em Lisboa, 70% dos utentes dos transportes públicos têm passe, 20% cartão recarregável e 10% é que adquire bilhetes novos, José Pedro Matos Fernandes disse que aquele problema afeta apenas 10% dos passageiros.

Pedindo desculpa pela situação, referiu que o problema é mais grave nas estações de "Santa Apolónia, Gare do Oriente e, particularmente, no Aeroporto", o ministro frisou que "foi nesses sítios que reforçaram a venda de bilhetes" nos postos de atendimento.

Frisando que "nunca faltaram bilhetes", o governante admitiu que os trabalhadores "já tinham alertado para esta situação" e que "desde 2011 era sabido que [os bilhetes] dependiam de um só fornecedor".

O ministro do Ambiente afirmou que o sistema de bilhética do Metro e da Carris estão a ser renovados porque os atuais "sistemas de leitura de bilhetes são diferentes" e que assim que terminar o período de testes essas empresas "podem passar a receber cartões vindos de outros fornecedores".

Com Lusa

  • Luaty Beirão satisfeito com sinais de mudança de paradigma em Angola
    4:03

    Mundo

    Sete meses depois da tomada de posse de João Lourenço como presidente de Angola, o país vive um tempo de revoluções. Mudanças inéditas que, nas palavras do ativista Luaty Beirão, permitem ter esperança num futuro melhor. O músico esteve em Lagos, a convite da Câmara Municipal, para falar sobre Livros e Liberdade.

  • O portal onde pode consultar certidões e outros documentos sem sair de casa
    7:37
  • Presidente da Comunidade de Madrid demite-se depois da divulgação de vídeo de roubo
    1:27