sicnot

Perfil

Economia

Este ano foram feitas 83 greves, 15 pelos enfermeiros

Os conflitos laborais levaram este ano à realização de 83 greves, a maioria das quais feitas pelos enfermeiros, que cumprem hoje a terceira paralisação nacional, depois de terem feito 13 greves regionais ou locais, desde maio.

A reivindicação de aumentos salariais e melhores condições de trabalho, a par da salvaguarda de direitos adquiridos ou do pagamento de salários em atraso, estão na origem de muitos dos protestos que levaram à paralisação de trabalhadores um pouco por todo o país, durante um dia ou mais, ou durante algumas horas dos respetivos turnos.

De acordo com dados facultados pela CGTP, contabilizados pela agência Lusa, que os cruzou com as suas notícias sobre greves desde o início do ano, o mês de agosto foi aquele em que se realizaram mais greves, num total de 13.

Seis destas greves foram feitas alternadamente por enfermeiros das zonas norte, centro e sul do país.

Sem contar com o mês de outubro, que ainda não chegou a meio, janeiro foi o mês com menor número de paralisações, um total de 5, entre as quais a única greve nacional da função pública deste ano, realizada a 29 de janeiro.

Em fevereiro realizaram-se 6 greves e em março o número de paralisações aumentou para 14, entre totais e parciais.

Em abril registaram-se 12 greves e em maio 13, entre as quais a primeira dos enfermeiros, da região norte, e uma dos carteiros de Famalicão.

Foram feitas 10 greves em junho e 12 em julho, entre as quais as greves nacionais dos enfermeiros de 14 de junho e de 28 e 29 de julho.

Em setembro o número de greves baixou para 6 e, destas, 5 foram feitas pelos enfermeiros de Barcelos, Braga e do Baixo Alentejo, Hospital de Almada e Hospital de S. João, no Porto.

Nos primeiros dias de outubro realizaram-se duas greves, dos enfermeiros de braga e dos Açores.

A greve de hoje não foi contabilizada.

A reposição das 35 horas de trabalho a todos os enfermeiros, assim como do valor do trabalho extraordinário e a necessidade de contratação de mais profissionais são os principais motivos na origem dos protestos dos enfermeiros.

A generalidade dos funcionários públicos recuperou o horário de trabalho de 35 horas semanais no dia 1 de julho, mas os enfermeiros com contrato individual de trabalho continuam a trabalhar 40 horas por semana.

Segundo informação do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEF), que tem convocado as greves do setor, os 3.500 enfermeiros com vínculo de funcionário público voltaram às 35 horas em julho, enquanto os 9.000 que têm contrato individual de trabalho continuam obrigados a cumprir 40 horas.

Lusa

  • Enfermeiros em greve

    País

    Os serviços de enfermagem nas unidades de saúde estão reduzidos a serviços mínimos, hoje e amanhã. Os enfermeiros exigem a reposição das 35 horas semanais e o pagamento das horas extraordinárias.

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31