sicnot

Perfil

Economia

PAN quer que a partir de 2030 só se possam vender carros elétricos em Portugal

© Lusa

O deputado do PAN, André Silva, desafiou hoje o Governo a fixar como meta que a partir de 2030 apenas podem ser comercializados veículos elétricos em Portugal, um objetivo que considerou "ambicioso mas inevitável".

No debate quinzenal, no parlamento, André Silva defendeu que o Estado tem de ser "o farol da mobilidade elétrica" e anunciou que, no âmbito da discussão do Orçamento do Estado na especialidade, o PAN vai propor metas para a renovação gradual de todas as frotas públicas, quer de ligeiros quer de pesados, para veículos elétricos.

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, referiu que Portugal tem "historicamente um compromisso com a mobilidade elétrica" e disse que o governo tem o objetivo de ter 1300 veículos elétricos no conjunto da frota pública, 180 dos quais já no próximo ano.

Para além disso, acrescentou, os cadernos de encargos para a aquisição das frotas de autocarros das empresas públicas "terão em devida conta a promoção da mobilidade elétrica".

André Silva levou ainda ao debate uma questão sobre o alegado recurso excessivo à Ritalina, um medicamento que é receitado para o transtorno de défice de atenção e hiperatividade.

O deputado do PAN afirmou que "em Portugal as crianças até aos 14 anos estarão a consumir mais de 5 milhões de doses de Ritalina", um "negócio que gerou 7,5 milhões de euros em 2013", e exigiu "respostas urgentes".

Sobre este tema, António Costa disse que o objetivo do Governo é completar a rede de cuidados primários de saúde com mais médicos de família e a diversificação de valências, entre as quais a saúde oral e a saúde mental, incluindo "maior assistência pedopsiquiátrica".

Lusa

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08