sicnot

Perfil

Economia

IGCP coloca 1.250 M€ em dívida com juros a subir a 3 meses e a descer a 11 meses

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters (Arquivo)

Portugal colocou hoje 1.250 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro a três e 11 meses, tendo a taxa média subido no prazo mais curto e descido no prazo mais longo face aos anteriores leilões comparáveis, foi hoje anunciado.

Segundo a página do IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública na Bloomberg, no prazo de 11 meses foram colocados hoje 900 milhões de euros à taxa de juro média de 0,006%, inferior à de 0,007% verificada no leilão precedente desta maturidade. A procura de BT a 11 meses atingiu 1.720 milhões de euros, 1,91 vezes o montante colocado.

Em relação aos BT a três meses, o IGCP colocou 350 milhões de euros a uma taxa de juro média negativa de -0,012%, superior à de -0,108%, verificada no anterior leilão comparável de 17 de agosto. O total de propostas dos investidores para esta maturidade atingiu 1.200 milhões de euros, mais de 3,43 vezes o montante colocado.

Além dos leilões de hoje e de 17 de agosto, a taxa média dos BT a três meses já tinha sido negativa, designadamente -0,004% no leilão desta maturidade em 22 de abril último.

O IGCP tinha anunciado para hoje a realização de dois leilões de Bilhetes do Tesouro, com maturidades em 20 de janeiro de 2017 e 22 de setembro de 2017, e com um montante indicativo entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros.

Em 17 de agosto, Portugal colocou 1.300 milhões de euros, acima do montante indicativo, em Bilhetes do Tesouro a três e 11 meses a taxas médias inferiores às dos anteriores leilões comparáveis, tendo a do prazo mais curto passado para negativa.

No prazo de 11 meses foram colocados 900 milhões de euros à taxa de juro média de 0,007%, inferior à verificada no anterior leilão comparável de 15 de junho, de 0,146% e a procura atingiu 2.078 milhões de euros, 2,31 vezes o montante colocado.

Em relação aos BT a três meses, o IGCP colocou na mesma data 400 milhões de euros a uma taxa de juro média negativa de -0,108%, também inferior à de 0,075%, verificada no anterior leilão comparável de 15 de junho e o total de propostas dos investidores para esta maturidade atingiu 785 milhões de euros, mais de 1,96 vezes o montante colocado.

  • IPSS no Seixal alvo de processo e auditoria financeira
    1:47

    País

    A Segurança Social está fazer mais uma inspeção total a uma IPSS, agora na Associação Unitária de Reformados, Pensionistas e Idosos do Seixal. A fiscalização já recolheu documentação e está agora a passar a pente fino as contas, os serviços e todos os procedimentos da Instituição.

    Investigação SIC - Hoje no Jornal da Noite

    SIC

  • Rui Santos revela novos e-mails que envolvem o Benfica
    1:52
    Tempo Extra

    Tempo Extra

    3ª FEIRA 23:00

    No programa da SIC Notícias Tempo Extra, Rui Santos revelou esta terça-feira que o blogue de Hugo Gil, associado ao Benfica, partilhou informação privilegiada da APAF (Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol) com várias figuras do clube da Luz.

  • Fredy Montero é reforço do Sporting

    Desporto

    O colombiano Fredy Montero está de regresso ao Sporting, anunciou o clube. O avançado de 30 anos já tinha vestido a camisola dos leões entre 2013 e 2015, antes de passar pelos chineses do Tianjin Teda e nos canadianos dos Vancouver Whitecaps.

  • Trump mentalmente apto para ser Presidente dos EUA

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos foi na semana passada sujeito aos exames médicos anuais obrigatórios. O médico oficial da Casa Branca informou esta terça-feira que Donald Trump está de "excelente" saúde, não apenas física, como já tinha sido divulgado, mas também mental. As dúvidas sobre as capacidades cognitivas de Trump ganharam força após as revelações feitas no livro "Fire and Fury: Inside the Trump White House".

    SIC

  • "É preciso namorar bem para que o namoro dê certo"
    2:31
  • Governo vai proibir refeições nos monumentos com estatuto de panteão
    0:53

    País

    O Governo vai acabar com as refeições no Panteão Nacional e em edifícios com estatuto semelhante, como os mosteiros dos Jerónimos e da Batalha. A decisão foi anunciada esta terça-feira pelo ministro da Cultura, no Parlamento. Luís Filipe Castro Mendes esclareceu que a decisão surge no âmbito da revisão do regulamento sobre os monumentos.