sicnot

Perfil

Economia

Carga fiscal de Portugal aumentou para 34,5% do PIB em 2015

© Hugo Correia / Reuters

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) divulgou que a carga fiscal aumentou 0,3 pontos percentuais em Portugal em 2015 face a 2014, atingindo os 34,5% do PIB, o que coloca o país na 16.ª posição.

De acordo com o relatório das estatísticas das receitas dos vários Estados-Membros da OCDE, divulgado na quarta-feira, o rácio dos impostos pagos face ao Produto Interno Bruto (PIB) em Portugal "aumentou 0,3 pontos percentuais, dos 34,2% em 2014 para os 34,5% em 2015", um aumento que foi de apenas 0,1 pontos no conjunto dos países da OCDE neste período.

"Desde 2000, o rácio dos impostos face ao PIB em Portugal aumentou de 31,1% para 34,5%", segundo o documento.

Comparando com os restantes países da OCDE, verifica-se que Portugal é o 16.º país com uma carga fiscal mais elevada, acima da de Espanha (33,8%) e da da Irlanda (23,6%), mas abaixo da da Grécia (36,8%) e da de Itália (43,3%).

Os países com maior carga fiscal são a Dinamarca (46,6%), França (45,5%) e a Bélgica (44,8%) e, do lado oposto da tabela, estão o México (17,4%) e o Chile (20,7%), segundo a OCDE.

Quanto à composição, a OCDE conclui que as receitas dos impostos sobre o valor acrescentado (o IVA) têm mais relevância em Portugal (representam 25% do total da carga fiscal) do que na OCDE (20%), mas que o peso dos impostos sobre o rendimento pessoal (o IRS) é mais baixo em Portugal (22%) do que na OCDE (24%).

Também o peso dos impostos sobre o rendimento das empresas (o IRC) é ligeiramente mais baixo em Portugal (8%) do que na média da OCDE (9%), bem como o dos impostos sobre a propriedade (4% em Portugal contra 6% na OCDE), ao passo que o das contribuições sociais está alinhado (26%).

O relatório da OCDE destaca ainda o "aumento de 0,9% pontos percentuais entre 2009 e 2014" da carga fiscal nas 35 economias da organização, "revertendo o declínio, de 33,8% para 32,4%, [registado] entre 2007 e 2009".

O maior aumento da carga fiscal entre 2014 e 2015 ocorreu no México (+2,3 pontos) e na Turquia (+1,3 pontos), mas foram registados "aumentos substanciais" na Estónia, na Grécia, na Hungria e na Eslováquia (superiores a um ponto percentual).

Por oposição, as maiores quedas da carga fiscal entre estes dois anos foram verificadas na Irlanda (-5,1 pontos, "devido ao crescimento excecionalmente elevado do PIB em 2015"), na Dinamarca (-3 pontos) e na Islândia (-1,8 pontos).

Se se alargar o período de comparação, a OCDE conclui que "os países individuais mostram tendências amplamente díspares": por exemplo, a carga fiscal da Noruega caiu quatro pontos percentuais entre 2007 e 2015, mas a da Grécia aumentou 5,6 pontos no mesmo intervalo de tempo.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.