sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas acusa Facebook de dar informações "enganosas" sobre compra de WhatsApp

© Dado Ruvic / Reuters

A Comissão Europeia acusou hoje a rede social Facebook de prestar informações "incorretas ou enganosas" no quadro do inquérito aberto pelo executivo comunitário em 2014 sobre o projeto de compra do serviço de mensagens WhatsApp.

"A Comissão estima, a título preliminar, que a Facebook lhe forneceu informações incorretas ou enganosas durante o inquérito em torno da compra da WhatsApp. A Facebook tem agora a possibilidade de responder", até 31 de janeiro próximo, aos pedidos de esclarecimentos adicionais hoje solicitados por Bruxelas, indicou a comissária da Concorrência, Margrethe Vestarger.

Bruxelas adverte que se as suas suspeitas forem confirmadas poderá impor à Facebook uma multa que pode ir até 1% do seu volume de negócios.

A Comissão recorda que quando começou a analisar o projeto de aquisição da WhatsApp um dos elementos examinados foi a possibilidade de a Facebook associar as contas dos seus utilizadores às contas dos utilizadores do serviço de mensagens, o que a empresa norte-americana indicou em 2014 que não era possível, mas que acabou por concretizar em 2016.

"Na sua notificação da operação, em agosto de 2014, e em resposta a um pedido de esclarecimento, a Facebook indicou à Comissão que não estaria em condições de associar automaticamente e de maneira fiável as contas de utilizador das duas empresas", mas em agosto de 2016 "a WhatsApp anunciou, entre outras atualizações das suas condições gerais de utilização e da sua política de confidencialidade, a possibilidade de associar os números de telefone dos utilizadores do WhatsApp aos perfis de utilizadores do Facebook".

Na carta dirigida hoje à Facebook, o executivo comunitário estima, para já de forma preliminar, que, "contrariamente às afirmações da Facebook e à resposta que forneceu por ocasião do exame da operação de aquisição, a possibilidade técnica de associar automaticamente as identidades dos utilizadores de Facebook com as do WhatsApp já existia em 2014".

Nesta fase, indica então o executivo comunitário, "a Comissão acredita que a Facebook forneceu, de forma deliberada ou por negligência, informações incorretas ou enganosas à Comissão, em violação das obrigações que lhe cabem no quadro do regulamento da UE sobre fusões".

A Comissão sublinha que a autorização de compra da WhatsApp pela Facebook continua válida, já que a "luz verde", dada em 2014, teve em conta muitos outros fatores além da possibilidade de associar as contas de utilizador, incorrendo todavia a empresa norte-americana numa multa pesada por prestar falsas informações a Bruxelas.

Em 2015, o volume de negócios da Facebook atingiu os 17,9 mil milhões de dólares (cerca de 17,1 mil milhões de euros no câmbio atual).

Lusa

  • WhatsApp lança vídeochamadas

    Mundo

    A WhatsApp está hoje a disponibilizar o serviço de vídeochamadas para todos os utilizadores, para todas as plataformas - Android, iPhone e Windows Phone. Com cerca de mil milhões em todo o mundo, a WhatsApp pretende competir con uma série de rivais como o Skype, o FaceTime, o Viber ou o Duo. A privacidade é garantida, assegura a empresa, face aos receios de vigilância apertada na "era Trump".

  • Obrigada a vir dos EUA, de 3 em 3 semanas, para ver o filho
    2:00
  • Marcelo diz que Europa não deve contar com benevolência dos aliados 
    1:19

    País

    O Presidente da República concorda com Angela Merkel, que este domingo defendeu que a Europa já não pode confiar a 100% nos países aliados. Numa conferência sobre o futuro da Europa, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que a União Europeia tem de assumir responsabilidades e protagonismo e não pode contar com a iniciativa e a benevolência dos aliados.

  • Novos casos de tuberculose caíram para metade

    País

    Portugal reduziu para metade o número de novos casos de tuberculose entre 2000 e 2016, segundo um relatório hoje divulgado, que mostra que, no ano passado, a taxa de incidência da doença foi de 18 por 100 mil habitantes.

  • Julgamento de Pedro Dias só deve começar após as férias judiciais
    2:59

    País

    O Tribunal da Guarda vai juntar o homicídio de Liliane Pinto ao processo principal dos crimes de Aguiar da Beira. Pedro Dias será interrogado em julho, mas o julgamento só deve começar depois das férias judiciais. No interrogatório judicial de 10 de novembro do ano passado, Pedro Dias ficou em silêncio.

  • Merkel sugere que a Europa já não pode contar com aliados como os EUA
    1:45

    Mundo

    Depois das cimeiras do G7 e da NATO,e sem nunca mencionar Donald Trump, a chanceler alemã diz que é tempo de cada país tomar conta do próprio destino. As declarações de Angela Merkel foram feitas em Munique numa ação de campanha da CDU e evidenciam incómodo em relação às posições manifestadas pelos EUA.

  • Bombeiro alvejado durante assalto em Buenos Aires
    1:07

    Mundo

    A polícia argentina está a investigar o assalto e a agressão a tiro a um bombeiro em Buenos Aires. O homem de 30 anos foi atacado por três jovens, o momento foi captado pelas câmaras de videovigilância. As imagens mostram o exato momento em que o bombeiro foi atacado pelo grupo, perto de um quiosque de alimentação automático. De acordo com as informações disponíveis, a vítima terá sido alvejada seis vezes.