sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas acusa Facebook de dar informações "enganosas" sobre compra de WhatsApp

© Dado Ruvic / Reuters

A Comissão Europeia acusou hoje a rede social Facebook de prestar informações "incorretas ou enganosas" no quadro do inquérito aberto pelo executivo comunitário em 2014 sobre o projeto de compra do serviço de mensagens WhatsApp.

"A Comissão estima, a título preliminar, que a Facebook lhe forneceu informações incorretas ou enganosas durante o inquérito em torno da compra da WhatsApp. A Facebook tem agora a possibilidade de responder", até 31 de janeiro próximo, aos pedidos de esclarecimentos adicionais hoje solicitados por Bruxelas, indicou a comissária da Concorrência, Margrethe Vestarger.

Bruxelas adverte que se as suas suspeitas forem confirmadas poderá impor à Facebook uma multa que pode ir até 1% do seu volume de negócios.

A Comissão recorda que quando começou a analisar o projeto de aquisição da WhatsApp um dos elementos examinados foi a possibilidade de a Facebook associar as contas dos seus utilizadores às contas dos utilizadores do serviço de mensagens, o que a empresa norte-americana indicou em 2014 que não era possível, mas que acabou por concretizar em 2016.

"Na sua notificação da operação, em agosto de 2014, e em resposta a um pedido de esclarecimento, a Facebook indicou à Comissão que não estaria em condições de associar automaticamente e de maneira fiável as contas de utilizador das duas empresas", mas em agosto de 2016 "a WhatsApp anunciou, entre outras atualizações das suas condições gerais de utilização e da sua política de confidencialidade, a possibilidade de associar os números de telefone dos utilizadores do WhatsApp aos perfis de utilizadores do Facebook".

Na carta dirigida hoje à Facebook, o executivo comunitário estima, para já de forma preliminar, que, "contrariamente às afirmações da Facebook e à resposta que forneceu por ocasião do exame da operação de aquisição, a possibilidade técnica de associar automaticamente as identidades dos utilizadores de Facebook com as do WhatsApp já existia em 2014".

Nesta fase, indica então o executivo comunitário, "a Comissão acredita que a Facebook forneceu, de forma deliberada ou por negligência, informações incorretas ou enganosas à Comissão, em violação das obrigações que lhe cabem no quadro do regulamento da UE sobre fusões".

A Comissão sublinha que a autorização de compra da WhatsApp pela Facebook continua válida, já que a "luz verde", dada em 2014, teve em conta muitos outros fatores além da possibilidade de associar as contas de utilizador, incorrendo todavia a empresa norte-americana numa multa pesada por prestar falsas informações a Bruxelas.

Em 2015, o volume de negócios da Facebook atingiu os 17,9 mil milhões de dólares (cerca de 17,1 mil milhões de euros no câmbio atual).

Lusa

  • WhatsApp lança vídeochamadas

    Mundo

    A WhatsApp está hoje a disponibilizar o serviço de vídeochamadas para todos os utilizadores, para todas as plataformas - Android, iPhone e Windows Phone. Com cerca de mil milhões em todo o mundo, a WhatsApp pretende competir con uma série de rivais como o Skype, o FaceTime, o Viber ou o Duo. A privacidade é garantida, assegura a empresa, face aos receios de vigilância apertada na "era Trump".

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC