sicnot

Perfil

Economia

Setor da Construção aplaude prioridade que Governo quer dar à habitação em 2017

A Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) considerou que a prioridade que o Governo quer dar à habitação em 2017 será uma "grande oportunidade" e restabelece "expectativas".

Depois do primeiro-ministro, António Costa, elencar entre as prioridades de 2017 a habitação e a recuperação da atividade das empresas do setor, o presidente da CPCI, Reis Campos, considerou que foi dado "novo alento a uma atividade que é responsável por 50,1% do investimento da economia".

Para este ponto de viragem, o dirigente acrescentou ainda a "perspetiva que foi assumida pelo ministro do Planeamento e das Infraestruturas, o qual anunciou investimentos em projetos estruturantes".

"Sem planeamento não há confiança, e sem confiança não há investidores, logo, não há crescimento económico e criação de emprego", afirmou Reis Campos.

O responsável acredita que não é apenas o setor da construção que "se revê nas palavras do senhor primeiro-ministro, mas todo o país", uma vez que o "futuro coletivo passa por criar emprego duradouro, por espaços urbanos dinâmicos e competitivos e por uma maior coesão territorial".

Segundo as contas da CPCI, há mais de 1,5 milhões de casas a precisar de obras, 465 mil famílias a viver em alojamentos sobrelotados e uma habitação social para cada 16 portugueses em risco de pobreza.

"Este é o momento de concretizar as medidas que estão há muito identificadas e fazer das cidades instrumentos de competição à escala global", disse.

No domingo, no encerramento do XX Congresso da JS, na Póvoa do Varzim, o secretário-geral do PS e primeiro-ministro apontou como "política emblemática, a política de habitação", por considerar que "a habitação é uma questão chave, é uma questão essencial e que é transversal, porque mobiliza desde logo um setor que foi diabolizado e destruído durante quatro anos, que foi o setor da construção".

"Sabemos bem que não há futuro para as nossas cidades se o centro dessas cidades não for reocupado pela vossa geração", disse.

E para que isso aconteça, salientou António Costa, é necessário dar "prioridade à reabilitação, mas é necessário, também, dar prioridade à criação de mecanismos de arrendamento acessível, para que seja possível as novas gerações tomarem conta das cidades, que não podem continuar a envelhecer de quem cá vive e só a rejuvenescer de quem cá passa como Erasmus ou a passar um fim de semana".

"É preciso e é fundamental que tomem conta das nossas cidades e essa tem de ser uma das grandes prioridades do PS nas políticas nacionais e nas políticas autárquicas nas próximas eleições de outubro de 2017", acrescentou.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.