sicnot

Perfil

Economia

EUA incluem portal chinês entre entidades que vendem produtos falsos

O Governo dos Estados Unidos incluiu o portal chinês de comércio eletrónico Taobao, do grupo Alibaba, numa lista de entidades que promovem falsificações e pirataria, numa decisão que a empresa sugere ter motivações políticas.

Um relatório do Gabinete do Representante do Comércio Externo (USTR) dos EUA colocou o Taobao como uma das plataformas que facilitam as violações dos direitos de propriedade intelectual, quatro anos após ter excluído a empresa daquela categoria.

"Questionamos se o USTR atuou com base em factos reais ou foi influenciado pelo atual clima político", disse o Presidente do grupo Alibaba, Michael Evans, em comunicado.

"Estamos muito mais eficazes e avançados na proteção dos direitos de propriedade intelectual do que quando o USTR nos tirou da lista há quatro anos. A decisão ignora o trabalho feito pelo Alibaba", aponta.

Também na China o Alibaba foi acusado de vender produtos contrafeitos, segundo um relatório conjunto da Administração Estatal da Indústria e Comércio e da Associação de Consumidores, difundido no ano passado.

O relatório detalha que 41% dos produtos vendidos através das plataformas digitais chinesas são cópias.

Em maio, a Coligação Internacional Antifalsificações, dedicada à perseguição da pirataria e dos produtos falsos, suspendeu o Alibaba, devido às "preocupações" manifestadas por outros membros.

A empresa chinesa diz que aumentou os esforços para detetar a venda de falsificações nas suas plataformas, nos últimos anos, através da cooperação com a polícia chinesa ou a organização de encontros com grandes marcas internacionais.

"As mais de 100.000 marcas que operam no Alibaba não podem estar todas enganadas. É uma demonstração clara de confiança que os titulares dos direitos depositam em nós", afirmou Evans.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57