sicnot

Perfil

Economia

Produtores reivindicam aumento do preço do leite

© Stephane Mahe / Reuters

A Associação dos Produtores de Leite de Portugal (APROLEP) reivindicou esta terça-feira o aumento do preço do leite, afirmando que os produtores não querem depender de subsídios, mas receber um preço justo pelo fruto do seu trabalho.

"Falta agora o mais importante: aumentar o preço do leite ao produtor", lê-se num comunicado da APROLEP, no qual a associação lembra os últimos "dois anos com preços baixos" e um 2016 de "esforço brutal de conter a produção e de muitas lutas dos produtores na rua a defender os produtos lácteos portugueses".

A APROLEP sublinha que "é tempo de aumentar o preço do leite à produção" e "tempo da indústria fazer um esforço para acompanhar a recuperação de preços que se regista nos mercados internacionais desde há meses".

"Reiteramos que os produtores de leite não querem depender de subsídios, querem receber um preço justo pelo fruto do seu trabalho e isso depende de uma repartição mais justa dos esforços entre distribuição, indústria e produtores, pois verificámos que os sacrifícios têm sido para os produtores e os lucros para o resto da cadeia", refere o documento.

O comunicado lembra a este propósito que as ajudas conseguidas em 2016 "foram extraordinárias e dificilmente serão concedidas no futuro", estando desde já prevista a redução das ajudas diretas à produção de leite em 2017 como consequência da reforma da Política Agrícola Comum (PAC) e das opções políticas do atual Governo.

"2016 foi um ano muito duro para os produtores de leite em Portugal, com preços extremamente baixos e limites significativos à produção, sendo por isso também um ano de intensa atividade para a nossa associação", diz ainda o documento.

A associação relata que foi um ano de "sofrimento, desânimo e desespero vivido por tantas famílias de produtores de leite" que foram obrigados a vender terrenos, animais de recria, atrasar pagamentos aos fornecedores ou endividar-se até ao limite junto de bancos ou familiares.

"Será preciso muito tempo, gestão apurada e um preço do leite superior ao atual para recuperar o perdido", diz a APROLEP.

Como se não bastasse o fim das quotas leiteiras que impunham limites à produção no espaço comunitário, os produtores de leite continuaram em 2016 a ser penalizados pela retração da procura, ditada pelas novas tendências de consumo, pelo aumento da produção fora da Europa e pelo embargo russo, que dificulta o escoamento dos produtos agrícolas europeus.

Os produtores saíram à rua diversas vezes este ano reclamando o regresso das quotas e contestando as importações e o que consideram ser "práticas comerciais abusivas" por parte da grande distribuição, mas, apesar de o Governo ter lançado um pacote de 17 medidas destinadas a apoiar o setor, o problema dos preços mantém-se.

Também o diretor-geral da Associação Nacional dos Industriais de Laticínios (ANIL), Paulo Costa Leite, já tinha afirmado à Lusa que, "atendendo à situação atual não se perspetivam alterações substanciais", mas admitiu, no entanto, que seria desejável trazer os preços "para patamares de maior razoabilidade".

Um litro de leite custa em média entre os 42 e os 55 cêntimos, mas a própria indústria admite que é difícil apurar um preço médio, atendendo "ao ritmo e intensidade das promoções".

O presidente da Federação Nacional das Cooperativas de Leite (FENALAC), Fernando Cardoso, por sua vez, lamentou recentemente à Lusa o ano "muito difícil" e salientou que a distribuição tem "aproveitado muitas vezes a grande oferta de leite existente no mercado para pressionar os preços de forma irracional".

Lusa

  • "Não vou ceder, não vou render-me, não vou desistir da candidatura"
    2:02
  • Obama, Presidente francês?
    1:55

    Mundo

    A resposta é óbvia, mas não demoveu quatro franceses, descontentes com os candidatos às Presidenciais no seu país. A ideia começou como brincadeira, mas já recolheu 43 mil assinaturas. 

  • Trump apanhado a ensaiar no carro
    1:08
  • Mulheres democratas de branco para mostrar que não abdicam dos diretos conquistados

    Mundo

    Uma "mancha branca" sobressaiu esta terça-feira no Congresso norte-americano, durante o primeiro discurso de Donald Trump. A maioria das 66 mulheres representantes e delegadas do Partido Democrata vestiram-se de branco, num ato simbólico a fazer recordar o movimento sufragista feminino, que encorajava as apoiantes a vestirem-se de branco. Tal como então, a cor da pureza foi agora recuperada, desta feita para mostrar a Trump que as mulheres não abdicam dos direitos conquistados no início do século XX.

  • Treinador do "The Biggest Loser" teve ataque cardíaco

    Mundo

    Foi o próprio Bob Harper que partilhou a notícia no seu Instagram. O ex-treinador do famoso programa de televisão sofreu um ataque cardíaco enquanto treinava no ginásio. Esteve oito dias internado mas, felizmente, já está em casa a recuperar.

  • Prisões recebem manual para lidar com fugas
    2:07

    País

    O Governo vai fazer o maior investimento de sempre nos serviços prisionais. São 2.600 milhões de euros para reforçar a segurança nas prisões. Entretanto. já foi distribuído um manual de procedimentos em caso de fuga.