sicnot

Perfil

Economia

A1 terá o maior aumento de portagens em 2017

SIC/Arquivo

A autoestrada Lisboa-Porto vai ficar 35 cêntimos mais cara em 2017 para a classe 1, o que faz da A1 o percurso com o maior aumento das portagens, seguida pela A2 Lisboa-Algarve que sobe 25 cêntimos.

Em terceiro lugar, com um aumento de 15 cêntimos, aparece a A22, conhecida como Via do Infante, no Algarve, que passa a custar 8,7 euros.

Já a viagem Lisboa-Porto, na autoestrada A1, passará a custar 21,60 euros e a Lisboa-Algarve na A2 20,45 euros, com o novo tarifário das autoestradas que entra em vigor a 01 de janeiro, atualizado com base na variação de preços ao consumidor.

A atualização abrange 22% das portagens e será de cinco cêntimos na generalidade das taxas de Classe 1, sendo de dez cêntimos num número reduzido de situações e em 78% dos casos não haverá qualquer acréscimo de preço, segundo anunciou o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas.

As portagens das pontes 25 de Abril e Vasco da Gama, em Lisboa, terão um aumento que varia entre os 5 (classe 1, em ambas as pontes) e os 15 cêntimos (classe 4, na Vasco da Gama).

Assim, no próximo ano, os utentes com veículos de classe 1 vão passar a pagar 1,75 euros para atravessar a ponte 25 de Abril e 2,75 euros na ponte Vasco da Gama.

Também a Brisa Concessão Rodoviária (BCR) destaca que "para a maioria dos principais percursos, o impacto das atualizações é mínimo, e que nas entradas dos grandes centros urbanos (Lisboa e Porto) não há aumentos", como é o caso da A5 Lisboa-Cascais e da A9 (Crel).

O índice de preços ao consumidor de outubro, excluindo habitação, que serve de referência à atualização anual das portagens, foi de 0,84%, sendo essa a proposta que as concessionárias de autoestradas terão feito ao Governo.

O método de atualização das portagens inclui um mecanismo de arredondamento das taxas para o múltiplo de cinco cêntimos mais próximo. Ou seja, se os aumentos forem inferiores a 2,5 cêntimos, a portagem manter-se-á inalterada. No entanto, se o aumento for superior a 2,5 cêntimos, há um arredondamento automático para cinco cêntimos.

Em 2016, a atualização nas taxas de portagem das autoestradas nacionais tinha abrangido apenas 10% dos troços das vias onde há cobrança aos utilizadores e numa atualização de apenas cinco cêntimos.

Lusa

  • Seleção de sub-21 precisa de vencer a Macedónia

    Desporto

    A seleção portuguesa de futebol de sub-21 precisa, hoje, de vencer a Macedónia e de marcar pelo menos quatro golos para poder sonhar ainda com a presença nas meias-finais do Europeu da categoria, que decorre na Polónia.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.