sicnot

Perfil

Economia

Louçã escreve ao Governo para defender que Novo Banco deve ficar na esfera pública

(Arquivo)

© Reuters

O ex-coordenador do Bloco de Esquerda Francisco Louçã escreveu uma carta ao Governo e um artigo de opinião para defender que o Novo Banco deve manter-se na esfera pública, mas não integrado na Caixa Geral de Depósitos.

Num artigo de opinião publicado esta quarta-feira no jornal Público, Francisco Louçã critica o processo de venda e defende uma via que não prejudique os contribuintes.

O Novo Banco "deve ser mantido como entidade separada e não incluída na CGD (Caixa Geral de Depósitos), mas deve integrar a banca pública para uma recapitalização ponderada ao longo do tempo e para uma gestão do crédito que estimule a economia", salientou o conselheiro de Estado.

A instituição financeira está em processo de venda. Entre os concorrentes estão os fundos chinês China Minsheng e norte-americanos Lone Star e Apollo.

"Parece que o Novo Banco, ou Sérgio Monteiro, ou comentadores que transportam o recado estariam decididos a tentar forçar a mão do Governo para impor a venda imediata do Novo Banco. Os felizes contemplados poderiam ser a Lone Star ou, se um golpe de teatro assim o permitisse, o consórcio Apollo-Centerbridge, agora reforçado pelo carinho da família Violas, que anda de candeias às avessas com o BPI", refere Francisco Louçã no artigo no Público.

No entender do economista, as "propostas de Sérgio Monteiro (que lidera a equipa que está a tratar da venda do Novo Banco) para o banco têm sido todas perigosas e estas não o são menos".

De acordo com Louçã, a solução de Sérgio Monteiro só tem uma virtude clarificadora, a anuência do PSD e CDS.

"Monteiro, despachado por Passos Coelho, para esta função e sempre próximo de Maria Luís Albuquerque, tem cumprido o que dele se esperava, generosamente pago para tanto. Embrulhou as contas do banco, prospetou compradores, ofereceu condições e agora proclama a solução que lhe sobrou", frisou.

Na opinião do ex-coordenador do BE, a "solução é má" porque os principais compradores são "flibusteiros, ou aventureiros provados no mar alto da finança mundial", referindo-se aos fundos Lone Star, fundo Apollo e Centerbridge.

Para Francisco Louçã, os fundos "ameaçarão o banco, atacarão os clientes, arriscarão os depositantes".

"A solução de Monteiro tem de ser evitada, tanto mais que há alternativas a este caríssimo ultimato quarta-feirista. Primeiro é melhor fazer as contas do Novo Banco com rigor. Segundo, o banco não pode continuar a viver arrastado para o fundo pelas operações não bancárias do tempo passado e deve livrar-se delas", salientou.

O conselheiro de Estado considera contudo que o Governo "não alinhará na aventura".

Em 03 de agosto de 2014, o Banco de Portugal tomou o controlo do Banco Espírito Santo (BES), depois de a instituição ter apresentado prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades distintas.

No chamado "banco mau" ("bad bank"), um veículo que mantém o nome BES, ficaram concentrados os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas.

No "banco bom", o banco de transição designado de Novo Banco, ficaram os ativos e passivos considerados não problemáticos.

Em dezembro de 2015 foram prolongadas as garantias estatais ao Novo Banco e a data limite para a sua venda foi estendida, por acordo com a Comissão Europeia, até agosto de 2017.

Lusa

  • Quem são os arguidos da operação Fizz
    2:29

    País

    É já considerado o julgamento do ano da justiça portuguesa e o caso que está a abalar as relações entre Portugal e Angola. O processo da operação Fizz tem quatro arguidos, mas um deles, já é certo, não irá sentar-se esta segunda-feira no banco dos réus.

  • Que shutdown é este que paralisou os EUA?
    2:27
  • Quase 100 atletas testemunharam contra médico Larry Nassar
    1:38

    Desporto

    Quase 100 atletas e antigas ginastas da seleção dos Estados Unidos da América confrontaram esta semana, em tribunal, o médico Larry Nassar, acusado de assédio sexual. Em dezembro, o clínico foi condenado a 60 anos de prisão por um tribunal do Michigan, por posse de pornografia infantil.