sicnot

Perfil

Economia

Louçã escreve ao Governo para defender que Novo Banco deve ficar na esfera pública

(Arquivo)

© Reuters

O ex-coordenador do Bloco de Esquerda Francisco Louçã escreveu uma carta ao Governo e um artigo de opinião para defender que o Novo Banco deve manter-se na esfera pública, mas não integrado na Caixa Geral de Depósitos.

Num artigo de opinião publicado esta quarta-feira no jornal Público, Francisco Louçã critica o processo de venda e defende uma via que não prejudique os contribuintes.

O Novo Banco "deve ser mantido como entidade separada e não incluída na CGD (Caixa Geral de Depósitos), mas deve integrar a banca pública para uma recapitalização ponderada ao longo do tempo e para uma gestão do crédito que estimule a economia", salientou o conselheiro de Estado.

A instituição financeira está em processo de venda. Entre os concorrentes estão os fundos chinês China Minsheng e norte-americanos Lone Star e Apollo.

"Parece que o Novo Banco, ou Sérgio Monteiro, ou comentadores que transportam o recado estariam decididos a tentar forçar a mão do Governo para impor a venda imediata do Novo Banco. Os felizes contemplados poderiam ser a Lone Star ou, se um golpe de teatro assim o permitisse, o consórcio Apollo-Centerbridge, agora reforçado pelo carinho da família Violas, que anda de candeias às avessas com o BPI", refere Francisco Louçã no artigo no Público.

No entender do economista, as "propostas de Sérgio Monteiro (que lidera a equipa que está a tratar da venda do Novo Banco) para o banco têm sido todas perigosas e estas não o são menos".

De acordo com Louçã, a solução de Sérgio Monteiro só tem uma virtude clarificadora, a anuência do PSD e CDS.

"Monteiro, despachado por Passos Coelho, para esta função e sempre próximo de Maria Luís Albuquerque, tem cumprido o que dele se esperava, generosamente pago para tanto. Embrulhou as contas do banco, prospetou compradores, ofereceu condições e agora proclama a solução que lhe sobrou", frisou.

Na opinião do ex-coordenador do BE, a "solução é má" porque os principais compradores são "flibusteiros, ou aventureiros provados no mar alto da finança mundial", referindo-se aos fundos Lone Star, fundo Apollo e Centerbridge.

Para Francisco Louçã, os fundos "ameaçarão o banco, atacarão os clientes, arriscarão os depositantes".

"A solução de Monteiro tem de ser evitada, tanto mais que há alternativas a este caríssimo ultimato quarta-feirista. Primeiro é melhor fazer as contas do Novo Banco com rigor. Segundo, o banco não pode continuar a viver arrastado para o fundo pelas operações não bancárias do tempo passado e deve livrar-se delas", salientou.

O conselheiro de Estado considera contudo que o Governo "não alinhará na aventura".

Em 03 de agosto de 2014, o Banco de Portugal tomou o controlo do Banco Espírito Santo (BES), depois de a instituição ter apresentado prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades distintas.

No chamado "banco mau" ("bad bank"), um veículo que mantém o nome BES, ficaram concentrados os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas.

No "banco bom", o banco de transição designado de Novo Banco, ficaram os ativos e passivos considerados não problemáticos.

Em dezembro de 2015 foram prolongadas as garantias estatais ao Novo Banco e a data limite para a sua venda foi estendida, por acordo com a Comissão Europeia, até agosto de 2017.

Lusa

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.