sicnot

Perfil

Economia

Venda do Novo Banco não terá garantias de Estado

"Nada está fora de questão quando se trata de garantir a estabilidade do sistema financeiro"

O ministro das Finanças diz que "não haverá garantias de Estado no Novo Banco". A declaração faz manchete no Diário de Notícias de hoje, numa entrevista em que Centeno manifesta também a convicção de que a nova administração da Caixa Geral de Depósitos poderá ter luz verde do BCE na próxima semana.

Última atualização às 9:41

Mário Centeno indica que a decisão do Banco de Portugal não é o fim deste processo e que "pode haver ajustamentos".

Quando questionado sobre se "integrar o Novo Banco na esfera pública está fora de questão", o titular das Finanças respondeu: "Enfim, nada está fora de questão quando se trata de garantir a estabilidade do sistema financeiro".

"Temos visto, em quase todos os países da Europa - diria até em todos - enormes esforços para garantir essa estabilidade e recorrendo a todas as fórmulas possíveis que existam para que essa estabilidade seja garantida", salientou.

Centeno lembrou que "o Novo Banco tem um papel também muito importante no sistema bancário português, financeiro, aliás, precisamente por causa do financiamento às pequenas e médias empresas - é um banco absolutamente de charneira, nessa dimensão - e tem de ser tida em conta essa relevância em todas as decisões que forem tomadas".

"E, portanto, desse ponto de vista, eu não acho que seja adequado eliminar nenhum tipo de abordagem em relação ao Novo Banco", concluiu.

Centeno afirma ainda que há fugas de informação que prejudicam o negócio.

"Tentativa de generalizar SMS como se fossem Facebooks não funciona"

Sobre a entrada em funções da nova administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), liderada pelo ex-ministro Paulo Macedo, o ministro das Finanças mostrou-se convicto de que poderá acontecer na próxima semana, embora lembrando que isso não depende exclusivamente do acionista Estado.

Mário Centeno apontou o Banco Central Europeu como fundamental, uma vez que é a instituição que tem de dar luz verde aos nomes da nova administração, mas assegurou que existe pressão do executivo para acelerar o processo.

"Não foi uma escolha termos de estar, neste momento, a fazer uma transição de Conselhos de Administração. É uma transição que está a ocorrer dentro daquilo que é o comportamento institucional previsto nestas circunstâncias. A Caixa tem uma administração que está a cuidar dos assuntos da CGD, à espera de uma nova administração que está em aprovação, e a sua nomeação pelo BCE e ocorrerá dentro dos próximos dias", frisou.

Apesar das adversidades, Centeno mostrou-se "muito satisfeito com o resultado" do processo da CGD.

"Porque o que tenho de apresentar aos portugueses são resultados. Nós, quando temos de fazer um processo destes, temos de lidar com muitas instituições, dentro do país e fora do país. A equipa que fez a gestão deste processo foi uma equipa muito coesa, no Ministério das Finanças, em que todos os aspetos políticos e técnicos foram tratados com muita minúcia e muito profissionalismo - com certeza com o dr. António Domingues também", declarou.

Sobre a polémica com António Domingues, Centeno disse que "a tentativa de generalizar SMS como se fossem Facebooks não funciona", sobre as acusações do PSD de que a Caixa estará a ser gerida por mensagens de telemóvel e e-mails.

Com Lusa

  • Maior acionista português do BPI na corrida à compra do Novo Banco
    2:28

    Economia

    A família Violas Ferreira - maior acionista português do BPI - está na corrida à compra do Novo Banco, em conjunto com os norte-americanos da Apollo. A confirmação foi dada à SIC por Tiago Violas Ferreira, administrador do Grupo português. A entrada da Holding Violas Ferreira no consórcio concorrente tem de ser autorizada pelo Banco de Portugal.

  • "Situação imperdoável no banco público"
    1:39

    Caso CGD

    O PSD criticou esta terça-feira o Governo pela forma como está a tratar o dossiê da Caixa Geral de Depósitos, sublinhando ainda que o banco público parece estar a ser gerido por SMS e email. Os sociais-democratas acusam a esquerda de arrogância e prepotência ao não permitir que o ministro das Finanças e António Domingues fossem à comissão de inquérito.

  • Troca de acusações entre Domingues e Finanças

    Caso CGD

    A troca de acusações está a subir de tom entre António Domingues e o Ministério de Mário Centeno por causa da saída imediata do presidente da Caixa Geral de Depósitos. Uma fonte ligada a António Domingues garante à SIC que o até agora Presidente nunca disse a Mário Centeno que não queria continuar em funções nos primeiros dias de 2017.

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.