sicnot

Perfil

Economia

Dólar nas ruas de Luanda começa 2017 a tocar máximos desde outubro

Reuters

O preço para comprar um dólar nas ruas de Luanda subiu nos primeiros dias de 2017 até aos 500 kwanzas (2,90 euros), tocando máximos desde outubro, segundo uma ronda feita esta quinta-feira pela Lusa na capital angolana.

O preço praticado no mercado de rua, após o pico de junho, acontece enquanto o acesso a dólares ou euros nos bancos angolanos permanece com fortes limitações, sendo por isso uma alternativa para muitos cidadãos, nacionais e estrangeiros, que necessitam de divisas.

As "kinguilas" de Luanda, como são conhecidas as mulheres que se dedicam à compra e venda de divisas, um negócio ilegal, afirmam que permanece escassa a quantidade de moeda nacional e de dólares no mercado.

A venda de cada dólar estava esta quinta-feira fixa nos 485 kwanzas no bairro do São Paulo, nos 490 kwanzas no bairro dos Mártires de Kifangondo e na Mutamba, enquanto as 'kinguilas' do Maculusso transacionavam a nota a 500 kwanzas.

Na semana anterior, algumas destas "kinguilas" chegavam a transacionar cada nota de dólar a 480 kwanzas, conforme ronda feita então pela Lusa.

Face à falta de dólares, nacionais e estrangeiros voltam-se para o mercado de rua para comprar divisas, embora a taxas especulativas, que até já estiveram próximas dos 600 kwanzas por cada dólar em agosto e julho, depois de máximos de 630 kwanzas em junho.

A inflação também se ressente desta conjuntura e os preços a 12 meses ultrapassaram, segundo o Instituto Nacional de Estatística angolano, os 41% de aumento, até novembro.

O Banco Nacional de Angola (BNA) garantiu no início de dezembro que não prevê qualquer nova desvalorização do kwanza, face à "tendência de estabilidade" dos preços, contrariando uma recente sugestão do FMI.

"Tendo em conta a tendência de estabilidade do nível geral dos preços e consequentemente a desaceleração da taxa de inflação mensal, o BNA reafirma o seu engajamento na preservação do valor da moeda nacional, razão pela qual não haverá desvalorização do kwanza", lê-se num documento do banco central angolano.

Angola vive desde finais de 2014 uma profunda crise financeira e económica decorrente da quebra para metade nas receitas com a exportação de petróleo, tendo desvalorizado o kwanza, face ao dólar, em 23,4% em 2015 e mais 18,4% ainda no primeiro semestre deste ano.

A taxa de câmbio oficial cifra-se atualmente em cerca de 166 kwanzas (93 cêntimos de euro) por cada dólar, quando antes do início da crise das receitas do petróleo, ainda em 2014, era de 100 kwanzas.

"O BNA continuará a disponibilizar as divisas de forma regular ao câmbio de 165,8 Kwanzas por um dólar dos Estados Unidos da América, não havendo necessidade dos operadores do mercado alterarem os preços dos bens e serviços", garante o banco central.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31
  • 245 saltam de ponte de 30m no Brasil para Recorde do Guiness
    1:56
  • Antigos presidentes dos EUA angariam 26 milhões para vítimas dos furacões
    0:58

    Mundo

    Os cinco antigos presidentes dos Estados Unidos da América ainda vivos juntaram-se para ajudar as vítimas dos furacões. Bill Clinton e Barack Obama lembraram as vítimas dos furacões e elogiaram o espírito solidário dos norte-americanos. Os antigos presidentes norte-americanos lançaram o apelo no início do mês passado e já conseguiram angariar cerca de 26 milhões de euros.