sicnot

Perfil

Economia

Santa Casa arranca com jogo online "a muito breve prazo"

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) vai entrar no mercado do jogo "online" "a muito breve prazo, logo que seja emitida a licença pela entidade reguladora", adiantou ao jornal Negócios o vice-provedor da instituição.

Edmundo Martinho disse ao jornal Negócios que a Santa Casa formalizou na quarta-feira a constituição do consórcio que vai explorar o jogo "online", sob o nome Sociedade de Apostas Sociais.

O consórcio tem como acionistas a SCML (54%), a União das Misericórdias Portuguesas (16%), a Fundação Montepio (15%), a Cáritas Portuguesas e a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO), ambas com 7,5% do capital.

O vice-provedor e presidente do Conselho de Administração da Santa Casa revelou que a licença pedida abrange a exploração de "apostas desportivas à cota, apostas hípicas mútuas e jogos de fortuna ou azar", mas a disponibilização dos diferentes tipos de jogos "não está completamente fechada".

Edmundo Martinho, que vai liderar também a nova sociedade, garantiu ao Negócios que os acionistas estão "totalmente comprometidos na mobilização dos recursos necessários a um projeto de grande ambição".

O administrador da Santa Casa rejeitou ainda a ideia de que os novos jogos venham prejudicar o negócio dos jogos tradicionais, alegando que "o perfil do utilizador é distinto".

"Os jogos a disponibilizar terão natureza e modelos diferenciados, pelo que a convicção é a de que não haverá um impacto negativo na receita dos outros jogos explorados pela Santa Casa, através do seu Departamento de Jogos", concluiu Edmundo Martinho.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.