sicnot

Perfil

Economia

Colômbia não vai permitir circulação de viaturas na fronteira com a Venezuela

A ministra de Relações Exteriores da Colômbia, Maria Ângela Holguín, anunciou esta sexta-feira que as autoridades colombianas não vão permitir a passagem de viaturas na fronteira com a Venezuela.

"Não queremos continuar dependendo da Venezuela (...) de momento não vamos abrir [a fronteira] para os carros", disse a ministra às rádios locais.

A decisão do colombiano tem lugar quatro dias depois de o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenar às estações de serviço da zona fronteiriça que começassem a cobrar a gasolina a preços internacionais, em pesos colombianos, para evitar o contrabando de combustível para a Colômbia.

Segundo a ministra, atualmente, as autoridades colombianas têm "o controlo quase absoluto do contrabando" de combustível, estando a região de Cúcuta a aceder regularmente a gasolina a preços subsidiados pelo Governo de Bogotá.

"Esta decisão que tomámos não mudrá com a decisão de Nicolás Maduro de vender gasolina na fronteira em pesos. Não vamos abrir a fronteira e nisso temos trabalhado (...), esse tema da gasolina não nos interessa, estamos bem", disse.

Por outro lado, explicou que Bogotá trabalha em conjunto com grémios, associações e comerciantes, para que os colombianos das regiões fronteiriças comecem a olhar para a Colômbia e não dependam tanto da Venezuela.

Segundo Maria Ângela Holguín, a fronteira "é vulnerável ao que acontece entre a Venezuela e a Colômbia", mas os problemas do vizinho país não se solucionam com "alaridos".

Por outro lado, vincou que "cada vez que Nicolás Maduro tem um problema, que agora é como um estado natural, cede contra os colombianos".

Lusa

  • Comitiva portuguesa terminou visita à central de Almaraz

    País

    A visita técnica da delegação portuguesa e da Comissão Europeia à central nuclear de Almaraz, em Espanha, realizou-se esta segunda-feira. A visita serviu para Portugal se inteirar sobre o funcionamento da central e sobre o projeto de construção de uma instalação para armazenamento de resíduos radioativos.

  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16

    Economia

    A Nokia chegou a ser uma das maiores empresas do mundo devido ao fabrico de telemóveis. Caiu, mas acaba de fazer renascer um dos sucessos de vendas do início do milénio. O anúncio foi feito este domingo, em Barcelona.