sicnot

Perfil

Economia

Colômbia não vai permitir circulação de viaturas na fronteira com a Venezuela

A ministra de Relações Exteriores da Colômbia, Maria Ângela Holguín, anunciou esta sexta-feira que as autoridades colombianas não vão permitir a passagem de viaturas na fronteira com a Venezuela.

"Não queremos continuar dependendo da Venezuela (...) de momento não vamos abrir [a fronteira] para os carros", disse a ministra às rádios locais.

A decisão do colombiano tem lugar quatro dias depois de o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenar às estações de serviço da zona fronteiriça que começassem a cobrar a gasolina a preços internacionais, em pesos colombianos, para evitar o contrabando de combustível para a Colômbia.

Segundo a ministra, atualmente, as autoridades colombianas têm "o controlo quase absoluto do contrabando" de combustível, estando a região de Cúcuta a aceder regularmente a gasolina a preços subsidiados pelo Governo de Bogotá.

"Esta decisão que tomámos não mudrá com a decisão de Nicolás Maduro de vender gasolina na fronteira em pesos. Não vamos abrir a fronteira e nisso temos trabalhado (...), esse tema da gasolina não nos interessa, estamos bem", disse.

Por outro lado, explicou que Bogotá trabalha em conjunto com grémios, associações e comerciantes, para que os colombianos das regiões fronteiriças comecem a olhar para a Colômbia e não dependam tanto da Venezuela.

Segundo Maria Ângela Holguín, a fronteira "é vulnerável ao que acontece entre a Venezuela e a Colômbia", mas os problemas do vizinho país não se solucionam com "alaridos".

Por outro lado, vincou que "cada vez que Nicolás Maduro tem um problema, que agora é como um estado natural, cede contra os colombianos".

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42