sicnot

Perfil

Economia

Videojogos portugueses valem entre 6 a 12 M€

ANT\303\223NIO COTRIM

Os videojogos portugueses comercializam-se principalmente no mercado internacional, num volume de negócios que pode oscilar entre 6 e 12 milhões de euros, segundo o 1.º Atlas do setor dos videojogos em Portugal.

No total foram inquiridos 70 agentes, entre 38 empresas e 32 criadores, avançando-se que deverá haver 154 agentes em Portugal, que podem empregar entre 650 e 1200 trabalhadores.

Tentado determinar o volume global de negócios, o estudo apontou para a amostra das empresas inquiridas um "global anual aproximado de 2.100.000 Euros. "Deste modo, estima-se que o volume total de negócios gerado pelas empresas do setor em Portugal se situe num intervalo entre 6 e 12 milhões de Euros".

O estudo revelou que apenas cerca de 20% das empresas declararam ter receitas superiores a 50 mil euros anuais, enquanto 1/3 respondeu ter receitas inferiores a 10.000 euros anuais, "o que não as torna sustentáveis enquanto fontes de emprego".

Três empresas declararam volumes de negócios entre 250 mil e 500 mil euros, com os autores do documento a referirem a recusa de várias em revelarem lucros.

Quanto a criadores, "56% afirmaram terem receitas anuais com a atividade ligada aos videojogos inferiores a 2000 euros".

O estudo indicou que as empresas inquiridas foram responsáveis pelo desenvolvimento de 127 videojogos, dos quais 92% foram comercializados no mercado internacional.

"Este facto deriva da facilidade que existe atualmente em publicar os jogos para plataformas móveis ou PC através das 'app stores' (lojas de aplicações) e do Steam (plataforma online de venda), bem como da reduzida dimensão do mercado nacional", segundo os investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores - Investigação e Desenvolvimento (INESC-ID) e Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT).

Relativamente às fontes de receita associadas, as empresas citam sobretudo a venda do jogo (65%), seguindo-se vendas dentro do jogo e publicidade ou patrocínio, sendo esta última fonte a mais comum entre os criadores (mais de 50%).

O documento mostrou que os videojogos são um setor económico numa fase ainda emergente, com um tecido empresarial muito jovem, organizado em microempresas, e empregando pessoas com elevada qualificação e forte especialização.

As 38 empresas inquiridas indicaram ter 272 trabalhadores a tempo inteiro, 48 a tempo parcial e 55 em regime de freelancer, pelo que se estima que o "volume total de emprego gerado pelas empresas do setor em Portugal se situe no intervalo entre 658 a 1204 trabalhadores", lê-se.

Em termos de financiamento, há uma "grande dependência dos capitais próprios, com menos de metade das empresas e dos criadores a referirem o recurso a fontes alternativas de financiamento".

Assim, o documento indica a falta de financiamento privado e de apoio público, nas suas diferentes facetas, como "as principais barreiras ao desenvolvimento do setor dos videojogos em Portugal".

O atlas avançou com a necessidade de um desenho de políticas públicas específicas, "dada a relevância dos videojogos como produto cultural com grande capacidade de exportação e com elevado valor acrescentado, bem como o seu forte contributo para a inovação noutros setores de atividade".

Outro caminho apontado foi a necessidade de "impulsionar o modelo tripla-hélice (Educação/Indústria/Governo) para fortalecer o setor".

Lusa

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.