sicnot

Perfil

Economia

APETRO sauda investigação a preços dos combustíveis

SIC

A Galp, BP e Repsol, entre outras associadas da APETRO, saudaram esta terça-feira a investigação sobre o aumento das margens de venda dos combustíveis, pedida pelo Governo, que consideram "natural" face à descida do preço de venda ao público.

"Saudamos a iniciativa, mais uma a juntar a outras já realizadas, que vão ao encontro da nossa política de transparência e rigor", afirma a Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (APETRO), em comunicado divulgado esta terça-feira.

O comentário da associação surge depois de, no passado fim de semana, ter sido divulgada uma carta enviada pelo secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, à Autoridade da Concorrência a pedir uma investigação acerca do aumento da margem bruta sobre o preço final antes de impostos dos combustíveis face à "evidência que fundamenta um esforço na investigação".

Quanto a esta afirmação, de aumento percentual da margem bruta do setor petrolífero entre 2012 e 2016, a APRETO responde: "É perfeitamente natural que assim seja pois, sendo a parcela correspondente ao valor de ADC (custos de Armazenagem, incluindo reservas obrigatórias, distribuição e comercialização, onde se encontra a margem grossista e retalhista) maioritariamente fixa, e tendo o valor final do PMVP (preço médio de venda ao público) descido, a percentagem que representa neste é superior".

A associação salienta, no entanto, que esta subida da margem bruta "não significa" que a margem comercial do setor petrolífero tenha aumentado, mas antes que se tenha verificado o contrário.

"Comparando os valores médios de 2012 e 2016, o valor de ADC para a Gasolina 95 desceu 2,7 cêntimos/litro e para o Gasóleo Rodoviário desceu 2,1 cêntimos/litro", afirma, acrescentando que nesse período se deu um agravamento da carga fiscal de 8,3 cêntimos por litro na gasolina e de 8,5 cêntimos por litro no gasóleo.

Nesse período, segundo a associação, aumentou também o custo de incorporação de biocombustível, de 1,4 cêntimos por litro na gasolina e de 1,2 cêntimos por litro no gasóleo.

Também a Associação de Revendedores de Combustíveis (Anarec) já reagiu ao pedido de investigação pedido pelo Governo, recusando ter tido algum benefício do aumento da margem bruta sobre o preço final antes de impostos dos combustíveis.

No pedido àquela autoridade, o governante diz ser "difícil compreender como é possível que em três anos de forte e continuada redução do custo das matérias-primas, a margem bruta por litro vendido tenha resistido de forma tão persistente".

Lusa

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • Sociedade de Pneumologia recomenda cuidados com calor e incêndios

    País

    A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) alertou esta quarta-feira para os riscos respiratórios decorrentes dos incêndios e temperaturas elevadas, sobretudo para quem sofre de doenças crónicas, propondo medidas preventivas e recordando o aumento de mortalidade associado ao calor.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14
  • Mulher vive sozinha numa ilha há 40 anos

    Mundo

    Zoe Lucas é a única pessoa a viver numa ilha canadiana, no norte do Atlântico. Nas últimas quatro décadas, a mulher de 67 tem partilhado a ilha Sable com cerca de 400 cavalos selvagens e 350 espécies de pássaros.