sicnot

Perfil

Economia

Madeira já reduziu em mais de mil milhões a dívida pública regional

(SIC/Arquivo)

O presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou esta quarta-feira que a Região conseguiu amortizar mais de mil milhões de euros da sua dívida pública, sublinhando que esta é inferior à registada a nível nacional.

"Neste momento já amortizámos, desde a intervenção (Programa de Ajustamento Económico e Financeiro da Madeira) 1.013 milhões de euros da dívida regional", disse o governante madeirense, numa conferência promovida por duas sociedades de advogados, subordinada ao tema "Orçamento de Estado 2017 e a nova tributação do património".

Miguel Albuquerque argumentou que agora "ninguém fala em Lisboa que a Madeira é a grande devedora, porque a Região tem uma ratio de dívida pública inferior à nacional", apontando que a dívida do país é de 133% do PIB (Produto Interno Bruto) e a do arquipélago se situa em 111%.

Em dezembro de 2012, na sequência do apuramento de uma dívida pública avaliada em 6,3 mil milhões de euros, o Governo Regional da Madeira, liderado pelo social-democrata Alberto João Jardim, assinou com a República um plano de resgate.

Miguel Albuquerque considerou que a Madeira "está muito condicionada com o que se passa a nível nacional".

"Nós, neste momento, temos um problema no nosso país: é que estamos num panelão que não funciona", ironizou o governante insular, contando aos presentes uma anedota sobre um homicida que morre e tem de escolher entre ir para inferno socialista ou capitalista.

O responsável explicou que nesta anedota, o indivíduo vê um "panelão socialista" com muita gente, em fila, à espera, enquanto o capitalista não tinha ninguém.

Quando questionou sobre a grande adesão, responderam-lhe que "no inferno socialista, normalmente, os diabos estão em greve, o caldeirão está hipotecado, não há fósforos e, às quintas-feiras, ninguém sabe o que é que vai acontecer. Portanto, o panelão nunca está funcional".

Miguel Albuquerque apontou ainda que a Madeira está a fazer "um percurso de boa administração das finanças publicas", o que é essencial para ser uma "região desenvolvida, com credibilidade e inspire confiança junto das instituições nacionais e internacionais".

Também mencionou a importância do turismo, vincando ser "o setor com maior impacto na economia regional", e realçou que o setor "vai fechar 2016 com 7,2 milhões de dormidas", o que significa o "melhor ano de sempre", tendo repercussões diretas e indiretas nos restantes setores regionais.

Segundo o chefe do executivo regional, a recuperação económica da Madeira "já é visível", dando como exemplo o setor do imobiliário, que regista um crescimento de 36%.

Realçou ainda a importância, entre outros, do Centro Internacional de Negócios, do Registo Internacional de Navios, da aquacultura e da tecnologia.

Albuquerque opinou que "o país não tem capacidade para captar investimento", estando há cerca de duas décadas sem crescimento económico".

Sublinhou também que "a opção para Portugal é a captação de investimento externo", o que passa por tornar-se atrativo em termos fiscais.

"O problema da nossa credibilidade é simples: nós não temos estabilidade legislativa no sistema para introduzir fatores de previsibilidade, que são essenciais para captar investimento externo", vincou.

Lusa

  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • #SICnaCampanha

    Autárquicas 2017

    As caravanas estão na estrada e os repórteres da SIC também. Acompanhe aqui os bastidores das autárquicas.

    Live blog

  • PSD não está a lutar "pela sobrevivência" em Lisboa
    3:29

    Autárquicas 2017

    Mais uma volta de norte a sul do país com a campanha dos líderes políticos para as próximas autárquicas. Ainda não acabou a guerra Bloco de Esquerda-CDU. A secretária-geral adjunta do PS bem se esforça, mas não consegue apoio nas ruas como António Costa. Pedro Passos Coelho voltou a aparecer ao lado de Teresa Leal Coelho, mas não quis comentar prováveis resultados na capital.

  • PCP e PS desvalorizam estudo de economistas com alternativa à do Governo
    1:09

    Orçamento do Estado 2018

    Um grupo de economistas, incluindo o deputado independente eleito pelo PS Paulo Trigo Pereira, publicou um estudo em que defende uma proposta alternativa à apresentada pelo Governo. O PCP e o PS desvalorizaram a opinião dos economistas e o Bloco de Esquerda disse que a consolidação orçamental poderia ser mais lenta. Já o PSD e o CDS aplaudem a proposta e defendem que o estudo apresentado é um aviso ao desnorte do Governo. 

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC