sicnot

Perfil

Economia

Sindicatos querem participação no capital e cogestão dos trabalhadores do Novo Banco

A União dos Sindicatos Independentes (USI) quer a participação no capital e a cogestão dos trabalhadores no Novo Banco e que a solução para a instituição corresponda a "um projeto sustentado de desenvolvimento, credível e viável".

Em comunicado, esta confederação sindical que integra dois sindicatos do setor bancário, o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) e o Sindicato Independente da Banca (SIB), afirma que a importância do Novo Banco exige que "seja evitada uma venda precipitada ou que este seja desmembrado, com trágica perda de valor", e que coloque em risco o banco, os colaboradores, mas também a economia portuguesa.

O USI admite que a "cada vez mais aventada nacionalização transitória poderá ser um meio adequado" para garantir que o Novo Banco e as empresas que apoia continuem a ser um fator de desenvolvimento da economia portuguesa.

Já em caso de venda, quer que o novo acionista assegure um projeto que garanta que o Novo Banco "seja uma instituição viável e com futuro" e "não uma oportunidade de especulação financeira, meramente com vista ao desmembramento ou (re)venda do Banco".

"É assim imprescindível que seja tomada uma decisão que, a seu tempo, mas não a destempo, assegure um Novo Banco uno, estável, com compromisso da manutenção dos postos de trabalho e do centro de gestão em Portugal", lê-se na nota.

Quanto à partilha com os colaboradores, a USI defende a possibilidade de participação no capital, "numa parte reservada para o efeito", no caso de futura venda, e a criação "de um sistema de cogestão", que permita aos colaboradores terem "efetiva intervenção na gestão e no futuro do Banco", à semelhança do que "ocorre nas mais avançadas economias europeias".

Especificamente sobre o modelo de cogestão, sublinha ainda que "é decisivo assegurar que os representantes dos trabalhadores integrem os órgãos de fiscalização e de supervisão das empresas".

A USI afirma que, se assim fosse, ter-se-ia provavelmente "evitado o abrupto colapso ou as perdas monumentais que ocorreram em bancos e operadoras de telecomunicações, entre outras", com repercussões a nível nacional e mundial.

A confederação diz estar a acompanhar "atentamente a situação do Novo Banco" e lembra a importância "da instituição de crédito de referência no panorama nacional, mantendo uma importante quota do mercado bancário português", assim como a relevância do seu apoio às pequenas e médias empresas nacionais.

Lusa

  • Negócios da Semana 11-01-16
    54:03

    Negócios da Semana

    Com: José Gomes Ferreira Convidados: Nuno Gaioso Ribeiro, Tiago Caiado Guerreiro, João Vieira Pereira, Filipe Alves. Em Análise: Dívida Pública, aumento de Juros, Nacionalização do Novo Banco, Banca aumento de Capital.

  • Lone Star disponível para negociar compra do Novo Banco
    1:24

    Economia

    O Governo já se reuniu com todos os concorrentes à compra do Novo Banco. Até ao momento mantém-se a prioridade da venda, antes de qualquer outra alternativa, como a nacionalização. Esta opção obrigaria a negociações com Bruxelas e com o Banco Central Europeu. O fundo norte-americano Lone Star mostrou-se disponível para negociar a compra.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.