sicnot

Perfil

Economia

Vendas da Renault em Portugal sobem 24,5% em 2016

A Renault vendeu 33.312 automóveis no ano passado em Portugal, um crescimento de 24,5% face a 2015, com a marca a conquistar uma quota de 12,5% no segmento de passageiros, "o melhor resultado da última década".

A empresa informou hoje em comunicado ter assegurado uma quota de 12,5% (25.861 automóveis vendidos) de mercado no segmento de passageiros, enquanto nas viaturas comerciais garantiu uma quota de 21,4% (7.451), a "melhor da sua história em Portugal".

A quota de mercado do acumulado Renault e Dacia foi de 16,1%, o "que corresponde ao valor mais elevado desde 1991", tendo a Dacia batido o recorde de vendas (5.789 unidades) e também de quota de mercado (2,4%).

Para 2017, a Renault prevê um "ligeiro crescimento" no mercado de veículos novos e anuncia a ambição de atingir a marca histórica de 20 anos consecutivos de liderança, assim como reafirmar o seu objetivo de ser "marca de referência e líder" no mercado de mobilidade elétrica.

Desde a criação, em 1980, da filial Renault Portuguesa, a marca liderou o mercado nacional em 31 dos 37 anos, segundo o comunicado. A Dacia pretende um efetivo crescimento das vendas e da quota de mercado. Em 2017, a Renault estima que o mercado automóvel possa atingir um volume próximo do seu potencial: 260.000 unidades (passageiros e comerciais ligeiros).

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.