sicnot

Perfil

Economia

Vendas da Renault em Portugal sobem 24,5% em 2016

A Renault vendeu 33.312 automóveis no ano passado em Portugal, um crescimento de 24,5% face a 2015, com a marca a conquistar uma quota de 12,5% no segmento de passageiros, "o melhor resultado da última década".

A empresa informou hoje em comunicado ter assegurado uma quota de 12,5% (25.861 automóveis vendidos) de mercado no segmento de passageiros, enquanto nas viaturas comerciais garantiu uma quota de 21,4% (7.451), a "melhor da sua história em Portugal".

A quota de mercado do acumulado Renault e Dacia foi de 16,1%, o "que corresponde ao valor mais elevado desde 1991", tendo a Dacia batido o recorde de vendas (5.789 unidades) e também de quota de mercado (2,4%).

Para 2017, a Renault prevê um "ligeiro crescimento" no mercado de veículos novos e anuncia a ambição de atingir a marca histórica de 20 anos consecutivos de liderança, assim como reafirmar o seu objetivo de ser "marca de referência e líder" no mercado de mobilidade elétrica.

Desde a criação, em 1980, da filial Renault Portuguesa, a marca liderou o mercado nacional em 31 dos 37 anos, segundo o comunicado. A Dacia pretende um efetivo crescimento das vendas e da quota de mercado. Em 2017, a Renault estima que o mercado automóvel possa atingir um volume próximo do seu potencial: 260.000 unidades (passageiros e comerciais ligeiros).

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15