sicnot

Perfil

Economia

Alterações ao acordo da TSU podem levar a nova renegociação, diz Confederação do Turismo

Presidente da Confederação do Turismo Português (CTP) Francisco Calheiros / Lusa

MANUEL DE ALOMEIDA

A Confederação do Turismo Português (CTP) afirmou esta sexta-feira que "aguarda serenamente" a decisão do parlamento sobre a redução da Taxa Social Única (TSU) das empresas, alertando que uma alteração do acordo pode levar a uma renegociação.

"A CTP aguarda serenamente a decisão da Assembleia da República sobre esta matéria, mas lembra que uma eventual alteração aos termos deste acordo poderá levar os parceiros envolvidos a rever a sua posição e, consequentemente, a uma renegociação com o Governo de forma a obter medidas compensatórias", afirmam as empresas de turismo, em comunicado.

A redução da TSU para as empresas em 2017 foi acordada em concertação social no âmbito do aumento do salário mínimo, mas motivou a discordância dos parceiros parlamentares à esquerda do PS, com o Bloco de Esquerda e o PCP a admitirem pedir a apreciação parlamentar do acordo alcançado.

Na quinta-feira, o PSD anunciou que votará a favor de eventuais apreciações parlamentares para contestar a descida da TSU, podendo assim inviabilizar a descida de 1,25 pontos percentuais desta contribuição paga pelas empresas relativamente aos salários mínimos.

Por sua vez, a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) lamentou que a redução da TSU (TSU) possa ser posta em causa por motivos político-partidários. Já o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, não quis comentar a posição assumida pelo grupo parlamentar do PSD, preferindo aguardar a conclusão do processo, até porque espera que o acordo não seja posto em causa.

Do lado dos trabalhadores, a CGTP considerou a posição do PSD positiva, mas a UGT considerou-a um desrespeito à concertação social, mostrando-se preocupada com os seus impactos.

A CGTP foi o único parceiro social que não assinou o acordo de concertação social de 22 de dezembro, que determinou o aumento do SMN a 01 de janeiro para os 557 euros. Em contrapartida, ficou acordado que a TSU que as empresas pagam pelos trabalhadores que beneficiam do aumento do salário mínimo desceria 1,25 pontos percentuais, para 22,5% (atualmente é de 23,75%).

Lusa

  • Descida da TSU em risco
    2:28

    Economia

    Está em risco o acordo entre o Governo e os patrões para aumentar o salário mínimo nacional. As empresas aceitaram o aumento, depois de o Governo ter oferecido uma descida da contribuição para a segurança social.O Bloco de Esquerda e o PCP são contra e querem discutir a medida no Parlamento. O PSD já anunciou que também vai votar contra.

  • CDS lembra reservas no passado sobre TSU
    0:13

    Economia

    O CDS-PP só tomará uma posição sobre um decreto do Governo que determine a descida da Taxa Social Única (TSU) se e quando este for apresentado, mas sublinha as reservas do partido no passado sobre a matéria." À margem de uma conferência em Lisboa, Assunção Cristas assegurou que não cabe ao CDS votar ao lado do Governo.

  • Descida da TSU para os patrões pode estar em risco
    2:58

    TSU/PEC

    A assinatura do acordo de concertação social pode estar em risco. As confederações patronais querem que o governo arranje uma alternativa à descida da taxa social única. PCP e Bloco vão puxar o assunto para apreciação parlamentar e quando votarem contra vão ter um aliado de peso, o PSD. O que o governo prometeu aos patrões fica por isso sem efeito.

  • Correia de Campos critica diminuição da TSU para as empresas
    0:58

    TSU/PEC

    O presidente do Conselho Económico e Social diz que se a economia crescer não é necessária uma reforma da Segurança Social. Em entrevista à Rádio Renascença e ao Público, Correia de Campos dá razão aos sindicatos por criticarem a diminuição da Taxa Social Única para as empresas.

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14