sicnot

Perfil

Economia

Para baixar juros "é preciso restaurar a confiança na política orçamental"

Teodora Cardoso, presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP).

TIAGO PETINGA / LUSA

A presidente do Conselho de Finanças Públicas disse esta segunda-feira que "é preciso restaurar a confiança na política orçamental" em Portugal para fazer descer as taxas de juro da dívida pública, que já ultrapassaram os 4% a dez anos este mês.

"No fundo precisamos de restaurar a confiança na política orçamental em Portugal. É isso que fará descer os "spreads" (prémio) e a taxa de juro (da dívida pública). Enquanto ela estiver a subir temos de pensar que o problema não está resolvido e que temos de continuar a trabalhar nisso", disse Teodora Cardoso.

Falando à margem de um seminário sobre investimento público, que decorre esta segunda-feira em Lisboa, Teodora Cardoso foi questionada sobre as causas da subida das taxas de juro da dívida pública, que desde dia 05 de janeiro já fecharam mais do que uma vez acima dos 4% no prazo a dez anos.

"Há duas componentes, as taxas de juro internacionais também subiram, portanto nesse aspeto o valor absoluto da nossa taxa tem a ver com isso. O problema mais complicado é que nós temos subido mais do que os outros países. O "spread" na dívida tem aumentado mais, isso significa que temos de ter mais cuidado em termos de política orçamental", afirmou.

No entanto, admitiu que a "confiança é uma coisa muito volátil" e afirmou que a "questão dos 4% teve mais a ver com expectativa de inflação a nível internacional do que propriamente com o que se passa em Portugal"."É claro que o problema é que como a nossa dívida tem uma taxa mais alta, o facto de as taxas de juro internacionais subirem afeta-nos mais fortemente, porque os nossos encargos com a dívida são maiores. Há esse fator que não depende de nós. O que depende de nós é procurarmos garantir que vamos reduzir a dívida e ter uma política mais sustentável nessa matéria".

Teodora Cardoso considera que a situação resulta de "um conjunto de circunstâncias", admitindo que "não é fácil de dizer que há um elemento específico"."Este elemento da confiança que é uma coisa difusa, mas (a subida das taxas de juros) significará que os mercados não estão convencidos de que aquilo que estamos a fazer seja suficiente para garantir que a nossa dívida é sustentável", reforçou.

E acrescentou: "O facto de neste ajustamento orçamental haja uma parte muito importante que efetivamente vem de despesas de investimento e ao mesmo tempo haja despesas muito rígidas, como é o caso das despesas com o pessoal que estão a subir, não é um fator de confiança na sustentabilidade da dívida portuguesa".

Além disso, a discussão em torno da eventual nacionalização do Novo Banco também é penalizadora: "Essa questão é mais uma que vai incidir sobre dois setores onde estamos mais frágeis, o financeiro e o impacto que isso possa ter nas contas públicas. São coisas que não vão a favor do objetivo que se queria que era reduzir a dívida e reduzir os juros", disse.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa para receber dois beijos. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.