sicnot

Perfil

Economia

Economia global vai crescer apenas 2,7% este ano e 2,9% em 2018

Emilio Morenatti

A atividade económica mundial permanece com uma recuperação "modesta" e irá crescer apenas 2,7% este ano e 2,9% em 2018, segundo o relatório das Nações Unidas sobre a Situação Económica e Perspetivas.

Para Portugal, a ONU perspetiva para 2017 um crescimento do PIB igual ao de 2016 (1,4%) e para 2018 1,3%, enquanto na União Europeia o crescimento da economia deverá estabilizar nos 1,8% nos próximos dois anos.

As previsões para o desempenho da economia mundial sinalizam uma "ligeira redução em baixa" face às anteriores estimativas da ONU divulgadas em maio do ano passado.

Em 2016, segundo a ONU, a economia mundial cresceu 2,2%, o "ritmo mais lento desde a grande recessão de 2009". Trata-se, segundo a instituição, de uma recuperação modesta que sinaliza uma estabilização da economia.

De acordo com o relatório, as economias desenvolvidas continuam a ser "os principais motores" do crescimento da economia global, sendo responsáveis por cerca de 60% do crescimento do PIB entre 2016 e 2018.

O fraco investimento, por sua vez, é apontado como a principal causa do abrandamento do crescimento da economia global.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.