sicnot

Perfil

Economia

Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram divulgadas no Twitter.

Depois de ser assinado pelo primeiro-ministro, o diploma foi levado num automóvel do Ministério do Trabalho até às sedes das confederações patronais e da UGT.

Pouco depois das 16:00, os patrões emitiram um comunicado para oficializar o compromisso.

No Twitter, o Governo divulgou uma imagem onde são visíveis as assinaturas.

O decreto-lei aprovado na segunda-feira e promulgado um dia depois pelo Presidente já foi também publicado em Diário da República.

O diploma "cria uma medida excecional e temporária de apoio ao emprego através da redução da taxa contributiva da Segurança Social a cargo da entidade empregadora", destinada às "empresas com trabalhadores abrangidos pelo salário mínimo nacional (SMN) e apenas nas contribuições referentes a estes trabalhadores".

Ainda assim, a descida da TSU está em risco, pois Bloco de Esquerda e PCP prometeram requerer a apreciação parlamentar para a revogar e o PSD anunciou que, nesse caso, também votará contra a medida.

Com Lusa

  • PCP e BE entregam pedidos de apreciação da descida da TSU
    3:12

    TSU/PEC

    O debate quinzenal desta terça-feira ficou marcado pelo diploma que prevê a redução da TSU dos patrões. O PCP e o Bloco de Esquerda já entregaram pedidos de apreciação parlamentar do diploma, e o CDS anunciou que vai apresentar propostas. Já o PSD acusou o Governo de assinar um acordo de concertação social, sem garantia de apoio no parlamento. Debaixo de fogo, o primeiro-ministro defendeu a medida e condenou o que diz ser a "cambalhota" política dos sociais-democratas.

  • Descida da TSU é um "estímulo ao investimento das empresas"
    1:44

    TSU/PEC

    Marcelo Rebelo de Sousa justificou a rápida promulgação da descida da TSU para empresas, dizendo que é um "estímulo ao investimento das empresas" e que é preciso preencher o vazio com o novo regime. O Presidente da República aprovou o diploma num tempo recorde, de apenas 15 horas. Marcelo recusa falar em cenários e frisa ter feito rápido o que tinha de fazer.

  • Descida da TSU criticada pelo PS em 2015
    2:12

    TSU/PEC

    Pedro Passos Coelho defendeu a descida da TSU em 2011. Agora, critica a medida. Os socialistas insistem em criticar o PSD, mas também no PS a questão da TSU foi no passado discutida e até teve alguma oposição. O próprio António Costa chegou a dizer que não ia fazer como o PSD uma baixa da TSU para as empresas, que descapitalizasse a Segurança Social.

  • Os apelos de Marcelo para a reforma do Estado
    1:36

    País

    O Presidente da República lamentou este sábado que o consenso para uma reforma do Estado seja um sonho adiado. No enceramento do congresso "Portugal no Futuro", Marcelo Rebelo de Sousa apelou a entendimentos em áreas estratégicas e defendeu que é preciso passar as palavras à ação, o quanto antes.

    Débora Henriques

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52