sicnot

Perfil

Economia

Governo tinha mais de 1.000 M€ de despesa cativada até novembro

O Governo indicou esta quarta-feira a Bruxelas que, até novembro, tinha mais de 1.000 milhões de euros de cativações "ainda congelados", o que está "bem acima dos 445 milhões" com que Portugal se tinha comprometido para cumprir as metas orçamentais.

"Até novembro, 1.028,2 milhões de euros de cativações estavam ainda congelados, bem acima dos 445 milhões de euros sinalizados pelo Governo português no relatório de ação efetiva", lê-se no documento hoje publicado por Bruxelas.

Em julho, Bruxelas definiu uma nova meta para o défice orçamental para 2016, de 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB), e exigiu que Portugal detalhasse quais as medidas de consolidação que pretendia aplicar para cumprir esse objetivo, o chamado relatório de ação efetiva.

A resposta do Governo português chegou em outubro e a solução identificada pelo ministro Mário Centeno foi o congelamento permanente de 445 milhões de euros relativos às cativações de 2016, tendo as Finanças dado conta, na altura, que, "das cativações originais de 1,5 mil milhões de euros, até setembro (de 2016) , tinham sido usados 461 milhões de euros" e que, "dos 1,1 mil milhões de euros que permanecem disponíveis, 445 milhões foram congelados permanentemente".

Agora, no relatório de 31 páginas que acabou por ser enviado na segunda-feira à noite porque o prazo definido de 15 de janeiro coincidiu com um domingo, o Governo volta a referir-se às cativações de despesa.

O ministério de Mário Centeno garante que "as despesas foram controladas" e que isso foi feito "graças a uma estrita e rigorosa execução", acrescentando que "a monitorização da despesa foi aplicada a todas as áreas," mas "sem comprometer os serviços públicos".

A conclusão é a repetição das garantias que o executivo tem vindo a reiterar: os indicadores disponíveis apontam para "um défice global inequivocamente inferior ao objetivo de 2,5% estabelecido pelo Conselho Europeu" e o desempenho orçamental de 2016 será "o menor défice em mais de 40 anos".

Com isto, as Finanças garantem que "Portugal irá pôr termo à situação de défice excessivo em 2016" e que haverá uma "convergência rumo ao Objetivo de Médio Prazo de forma rigorosa e equitativa".

No verão, quando Bruxelas deu mais um ano a Portugal para sair do Procedimento dos Défices Excessivos e definiu uma nova meta para o défice orçamental para 2016 (de 2,5% do PIB), determinou também que o país entregasse mais informação a cada três meses e indicou que queria receber o primeiro relatório a 15 de janeiro de 2017.

Este documento, tal como todos os submetidos a Bruxelas, pode ser usados pela Comissão para emitir recomendações ao Conselho (que, por sua vez, adota as suas recomendações), tal como definido no Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia.

Portugal deverá enviar estes relatórios até sair do Procedimento por Défice Excessivo (PDE), o que poderá acontecer em junho de 2017, após a primeira notificação dos défices excessivos a Bruxelas (que acontece no final de março) e também após as previsões económicas que se seguem a esta notificação (em maio deste ano).

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.