sicnot

Perfil

Economia

Desempregados inscritos nos centros de emprego caem 13,1% em dezembro

(SIC/Arquivo)

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego manteve em dezembro a tendência de queda, baixando 13,1% em termos homólogos, para 482.556 pessoas, com 2016 a terminar com menos 87.824 desempregados face a janeiro do mesmo ano.

De acordo com os dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), em comparação com o mês anterior, o número total de desempregados registados em dezembro do ano passado recuou 0,8%, o que representa menos 3.878 pessoas.

Em janeiro de 2016, o número de desempregados registados alcançou os 570.380. Face ao mês homólogo de 2015, o número de desempregados inscritos nos centros de emprego caiu em ambos os sexos, mas a queda foi mais significativa nos homens, com uma descida de 14,9%, enquanto nas mulheres a redução foi de 11,4%.

Quanto ao grupo etário, o número de jovens inscritos (com menos de 25 anos) conseguiu uma redução de 20,1% e o grupo dos adultos apresentou, igualmente, uma descida homóloga do número de inscritos de 12,1%.

No que respeita ao tempo de inscrição, os desempregados inscritos há menos de um ano diminuíram 15% em relação a dezembro de 2015, e os desempregados de longa duração, isto é, com tempo de inscrição igual ou superior a um ano, diminuíram 11%.

O número dos desempregados que procuravam um novo emprego diminuiu também face ao mês homólogo de 2015 (-12,9%), bem como aqueles que procuravam o primeiro emprego (-14,7%).

"A descida anual do desemprego fez-se sentir em todos os níveis de instrução. Os decréscimos percentuais mais elevados verificaram-se no 1º e 3º ciclos do ensino básico com, respetivamente, -14,7% e -15,0% face ao mês homólogo de 2015", sinaliza o IEFP.

A nível regional, comparando com o mês de dezembro de 2015, o desemprego diminuiu em todas as regiões do país, destacando-se o Centro com a descida percentual mais acentuada (-16,7%). Em relação ao mês anterior, o desemprego diminuiu em todas as regiões, com exceção do Algarve e Centro, onde se verificaram acréscimos de, respetivamente, 6,8% e 1,7%.

As colocações realizadas durante o mês de dezembro de 2016 totalizaram as 4.876 em todo o país, um número inferior ao de igual período de 2015 (-38,7% ou o equivalente a 3.079 colocações) e ao do mês anterior (-16,2% ou o equivalente a 942 colocações).

A análise das colocações por grupos de profissões (dados do continente), mostra, de acordo com o IEFP, uma maior concentração nos "trabalhadores não qualificados" (23,6%) e nos "trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores" (20,0%).

Lusa

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • Bastidores do sambódromo: um espétaculo à parte
    3:22
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.