sicnot

Perfil

Economia

Portugal acredita que Reino Unido iniciará saída da UE em março, prazo previsto

reuters

O ministro dos Negócios Estrangeiros português acredita que o Reino Unido iniciará a saída da União Europeia até final de março, prazo com que o Governo britânico se comprometeu, apesar de o processo ter de passar pelo parlamento nacional.

"O Reino Unido comunicou que tenciona ativar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa até ao fim do mês de março. Estou seguro que as instituições relevantes do Reino Unido completarão o processo de decisão interno de forma a que esse prazo seja respeitado", disse hoje Augusto Santos Silva, quando questionado pelos jornalistas sobre a decisão do Supremo Tribunal do Reino Unido, que obriga o Governo britânico a ter a aprovação do Parlamento para iniciar os procedimentos de saída da União Europeia, no que é uma derrota política para a primeira-ministra, Theresa May.

Sem querer comentar a decisão da justiça britânica, Santos Silva reiterou que, para Portugal, "logo que seja conhecida a notificação" sobre a ativação do artigo 50.º do Tratado de Lisboa - relativo à saída voluntária de um Estado-membro da UE -, deve iniciar-se a negociação entre Londres e os restantes 27 países do bloco europeu.

"Um processo de negociação que, queremos crer, se conduzirá de forma a que o resultado desse processo conserve a importância que o Reino Unido tem na Europa como tal e que permita conservar e até reforçar a cooperação entre a União Europeia e o Reino Unido, seja em matéria comercial e económica, seja em matéria de segurança e defesa", defendeu.

Santos Silva insistiu ainda que, ao mesmo tempo, os 27 membros da UE devem reforçar o seu processo de integração.

O Governo britânico afirmou hoje que a decisão do Supremo Tribunal britânico de obrigar Downing Street a obter a aprovação do Parlamento sobre o lançamento das negociações de saída da União Europeia "não muda nada" no calendário do 'Brexit'.

O Supremo Tribunal decidiu também que o Governo não terá de consultar a Escócia, o País de Gales ou a Irlanda do Norte antes de iniciar o processo de saída.

O ministro dos Negócios Estrangeiros falava aos jornalistas à margem do seminário de alto nível, com cerca de 40 decisores políticos e académicos de vários países europeus, que hoje reúnem em Lisboa para debater o tema "Consolidar o Euro. Promover a Convergência".

Trata-se de uma iniciativa do Governo português e conta com a participação dos ministros portugueses dos Negócios Estrangeiros, do Planeamento, das Finanças e do Trabalho, e é encerrada pelo primeiro-ministro, António Costa.

Lusa

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John Mccain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06
  • Menos casos de sida em Portugal
    1:44