sicnot

Perfil

Economia

Costa diz que Portugal tem de surfar onda da revolução digital

PAULO CUNHA / LUSA

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje em Leiria que Portugal tem de surfar a onda da revolução digital sem hesitações, porque é a primeira grande oportunidade do país estar na crista de uma nova revolução industrial.

"Este é um daqueles momentos em que não podemos hesitar: Se temos medo da onda e procuramos abrigo ou se procuramos a onda e a vamos surfar. Creio que aqui não há nenhuma hesitação a ter, temos de surfar esta onda", afirmou António Costa.

"Esta é primeira grande oportunidade de estarmos na crista de uma nova revolução industrial, sem que a distância ou a falta de recursos nos coloque em posição desfavorável", adiantou, frisando que, pelo contrário, Portugal possui "todos os recursos que são essenciais"

Intervindo na apresentação do programa Indústria 4.0 - Economia Digital, António Costa disse ainda que a chamada revolução digital "é a primeira revolução industrial em que Portugal não parte em desvantagem".

Segundo o governante, o país tem "os ingredientes de base" para estar na crista da onda: uma boa infraestrutura tecnológica de comunicações e "sobretudo, daquilo que é fundamental, um conjunto de quadros altamente qualificados, universidades e politécnicos dinâmicos e um tecido empresarial apto a receber o conhecimento", disse António Costa.

Quanto aos recursos humanos qualificados, o primeiro-ministro disse que o país não se pode dar ao luxo de os continuar a ver partir para o estrangeiro.

"Pelo contrário, temos de continuar a formar mais, a fixá-los e a dar-lhes perspetivas de desenvolvimento e de futuro aqui em Portugal", alegou.

O primeiro-ministro sustentou ainda que a revolução digital assenta no conhecimento, inovação e capacidade tecnológica, definindo-a como uma "enorme oportunidade" de gerar emprego "mais qualificado, com mais conhecimento, mais bem remunerado e mais estável".

O governante alertou que este emprego "é altamente competitivo em termos internacionais" e que não é possível mantê-lo com condições precárias e baixos salários.

"Não é possível atrair e fixar talento com uma política de baixos salários, não é possível atrair e fixar talento com base na precariedade", avisou António Costa.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.