sicnot

Perfil

Economia

Fatores económicos na origem do abandono do ensino superior

As principais causas de abandono e desistência do ensino superior resultam de fatores económicos, tais como a dificuldade em conciliar a vida académica com a profissional e a dificuldade de adaptação, apurou o Tribunal de Contas.

A instituição afirma, no entanto, que se verificou uma diminuição da taxa de abandono entre 2012/2013 e 2014/2015, num relatório sobre a caracterização do ensino superior público em Portugal.

A taxa de desemprego dos diplomados indicada no documento é de 8%, mas os relatores alertam que esta cifra divulgada pela Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência (DGEEC) apenas considera os inscritos nos centros do Instituto do Emprego e Formação Profissional, "não sendo, assim, representativa do universo dos desempregados".

O relatório divulgado esta segunda-feira incide no ano letivo 2012-2013 e aponta a existência de 27 cursos em que a taxa de desemprego é nula.

Em 2012, existiam também 326 cursos com menos de 20 alunos.

Verificou-se uma diminuição do pessoal, docente e não docente, bem como uma redução no número de estabelecimentos de ensino, com as regiões de Lisboa, Norte e Centro a concentrar o maior número de escolas.

O tribunal constatou uma diminuição do número de alunos inscritos e diplomados.

"O maior número de alunos inscritos e diplomados verifica-se no grau de licenciatura e nas áreas de Ciências Sociais, Comércio e Direito", lê-se no relatório, segundo o qual a região de Lisboa foi a que emitiu mais diplomas.

O Tribunal de Contas recomenda a clarificação dos conceitos de desistência, abandono escolar e retenção, bem como de empregabilidade e desemprego, por forma a permitir uma leitura mais uniforme, transparente e comparável.

Os auditores observaram uma convergência com a meta europeia no que diz respeito às habilitações dos cidadãos, "ainda que, até 2020, Portugal tenha de recuperar 8,1% para que 40% da população, entre os 30-34 anos, complete o ensino superior" ou equivalente.

Entre as recomendações está uma avaliação das necessidades do mercado de trabalho, para "orientar os estudantes" nas opções profissionais e facultar informação às instituições de ensino, "potenciando eventuais alterações na estrutura da oferta curricular".

Recomenda-se ainda a criação de estruturas de apoio à inserção dos recém-diplomados na vida ativa.

O tribunal atuou em articulação com os serviços do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, o Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior e 40 instituições públicas politécnicas e universitárias.

Lusa

  • DIRETO: Célula terrorista preparava grande atentado na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das vítimas mortais do atentado em Barcelona era de Lisboa e há uma outra portuguesa, a sua neta, desaparecida. A polícia procura quatro jovens e há outras quatro detenções confirmadas. Os autores dos ataques na Catalunha, que mataram 14 pessoas e feriram 140, pertenciam ao mesmo grupo. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33
  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35

    Ataque em Barcelona

    Em Cambrils, também na Catalunha, foram mortos cinco alegados terroristas que atropelaram várias pessoas, uma morreu e seis ficaram feridas, quando escapavam a uma perseguição policial, esta madrugada. As autoridades investigam uma eventual relação entre os dois atentados. Nota: chamamos à atenção para a violência das imagens, que podem chocar os espetadores mais sensíveis.

  • Nível de ameaça terrorista em Portugal continua moderado
    1:31

    Ataque em Barcelona

    O primeiro-ministro garantiu hoje que, para já, o nível de ameaça terrorista em Portugal não vai ser alterado (o nível está no 4 em 5). Já o Presidente da República disse que não há tolerância possível e garante que há medidas preparadas caso o mesmo cenário venha a acontecer em Portugal.

  • Vento e calor provocam reacendimentos em Mação
    1:55

    País

    As temperaturas altas e o vento forte estão a provocar reacendimentos em Mação. No terreno mantêm-se cerca de 800 bombeiros, numa altura que que há receio que as chamas voltem a ficar ativas, como explica o repórter Rui Carlos Teixeira.