sicnot

Perfil

Economia

Governador do Banco do Japão diz que G7 e G20 vão travar protecionismo de Trump

Haruhiko Kuroda, governador do Banco do Japão.

© Ruben Sprich / Reuters

O governador do Banco do Japão considerou hoje que, apesar da insegurança generalizada das posturas protecionistas do Presidente norte-americano, Donald Trump, as políticas que defendem o G7 e o G20 evitarão que estas tendências alastrem a nível mundial.

"Há uma preocupação de que as políticas protecionistas da administração Trump possam reduzir o volume de comércio internacional", afirmou Haruhiko Kuroda em conferência de imprensa.


"Contudo, não creio que esse protecionismo seja contagioso a larga escala, graças às políticas (defensoras do livre comércio internacional) que dominam no G7 e no G20", acrescentou.


Em termos financeiros, Kuroda sustentou que, "embora a política do novo Governo [Notes:de Trump] não seja ainda clara", são patentes os bons fundamentos sobre o que sustenta a economia norte-americana, assim como a recente subida dos rendimentos das obrigações do tesouro ou a alta que se vive em Wall Street.


Ainda assim, o governador do Banco do Japão assegurou que a entidade que dirige se manterá "vigilante" dada a "grande influência da política financeira dos Estados Unidos nos mercados globais".


Ao ser questionado sobre a recente proibição aprovada pela Casa Branca de conceder vistos de entrada aos cidadãos de sete países muçulmanos, Kuroda recusou pronunciar-se, dizendo apenas que tal assunto "não é da competência do Banco do Japão".

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33