sicnot

Perfil

Economia

Maioria dos acionistas do BCP não quis vender os direitos de participação

(Arquivo)

© Kacper Pempel / Reuters

A maior parte dos atuais acionistas do BCP não quis vender os direitos de participação no aumento de capital do banco. A operação terminou esta segunda-feira, mas o valor alcançado ficou abaixo do previsto.

Apesar de quase 300 milhões de euros vendidos, dois terços dos acionistas do banco não participaram na negociação, mostrando assim o interesse em participar no aumento de capital. Também a Sonangol não vendeu os direitos que tem, mantendo a segunda maior participação, com 15%.

Os chineses da Fosun - a maior acionista - foram os primeiros compradores de direitos, mas não conseguiram atingir o objetivo de obter 30% de quota no BCP.

Até à próxima quinta-feira, podem ser subscritas as novas ações, que deverão ser colocadas em bolsa a 9 de fevereiro.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11