sicnot

Perfil

Economia

Maioria dos acionistas do BCP não quis vender os direitos de participação

(Arquivo)

© Kacper Pempel / Reuters

A maior parte dos atuais acionistas do BCP não quis vender os direitos de participação no aumento de capital do banco. A operação terminou esta segunda-feira, mas o valor alcançado ficou abaixo do previsto.

Apesar de quase 300 milhões de euros vendidos, dois terços dos acionistas do banco não participaram na negociação, mostrando assim o interesse em participar no aumento de capital. Também a Sonangol não vendeu os direitos que tem, mantendo a segunda maior participação, com 15%.

Os chineses da Fosun - a maior acionista - foram os primeiros compradores de direitos, mas não conseguiram atingir o objetivo de obter 30% de quota no BCP.

Até à próxima quinta-feira, podem ser subscritas as novas ações, que deverão ser colocadas em bolsa a 9 de fevereiro.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.