sicnot

Perfil

Economia

Carris nas mãos da Câmara de Lisboa

JOÃO RELVAS / LUSA

A Câmara de Lisboa assume esta quarta-feira a gestão da rodoviária Carris, 41 anos depois de a "ter perdido" para o Estado. Um processo envolto em polémica, depois de o PCP ter pedido a sua apreciação parlamentar. A partir de hoje há descontos nos passes para crianças e idosos.

"A Carris regressa a casa", afirmou o presidente da Câmara, Fernando Medina (PS), na cerimónia de assinatura do memorando da passagem de gestão da rodoviária para o município, em novembro passado.

A opção do Governo chefiado por António Costa - que esta quarta-feira vai estar presente na cerimónia de passagem da gestão da Carris para a Câmara - de entregar a empresa à autarquia surge na sequência da suspensão dos processos de concessão das empresas públicas de transporte, lançados em 2011 pelo Governo PSD/CDS-PP, liderado por Pedro Passos Coelho.

Por discordar da decisão governamental, o PCP entregou na sexta-feira na Assembleia da República um pedido de apreciação parlamentar do diploma que transfere a Carris para o município, acompanhado de propostas de alteração ao decreto do Governo.

A decisão do PCP não agradou a Comissão de Trabalhadores da Carris e três estruturas sindicais - Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA), Sindicato Nacional dos Motoristas (SNM) e Associação Sindical do Pessoal de Tráfego da Carris (ASPTC) -, que defendem que a municipalização da gestão "é a solução que melhor serve os trabalhadores, a empresa e o serviço que esta presta".

Descontos nos passes

A gratuitidade dos passes da Carris e Metro para as crianças até aos 12 anos e os descontos para os idosos entram em vigor também esta quarta-feira.

Quanto à dívida histórica da Carris, irá manter-se no Estado. "O Estado não faz nenhum favor, porque se mantém responsável pelo que já é responsável, que é a dívida que criou", afirmou o primeiro-ministro, António Costa, acrescentando que, em 2015, o valor ascendia a cerca de 700 milhões de euros.

Para os próximos três anos, o presidente da Câmara de Lisboa anunciou que vai adquirir 250 novos autocarros, fazer um investimento de 60 milhões de euros, contratar 220 motoristas, atribuir passes gratuitos a todas as crianças até aos 12 anos e descontos para os idosos e criar 21 novas linhas.

Estas novas linhas fazem parte da nova "Rede de Bairros" e pretendem servir deslocações do dia-a-dia nas freguesias lisboetas, ligando escolas, mercado, centro de saúde, etc.

Marvila será o primeiro bairro a receber esta linha, que vai chegar também a Alvalade, Arroios, Avenidas Novas, Beato, Belém, Benfica, Campo de Ourique, Campolide, Carnide, Estrela, Lumiar, Misericórdia, Olivais, Penha de França, Parque das Nações, Santa Clara, São Domingos, São Vicente, Santo António e Santa Maria Maior.

Com Lusa

  • As vantagens de comprar online
    8:03
  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Filho de Trump critica mayor de Londres por palavras de 2016

    Ataque em Londres

    Donald Trump Júnior criticou o presidente da Câmara de Londres logo a seguir ao ataque de quarta-feira que fez três mortos e mais de 40 feridos. O filho de Presidente publicou no Twitter uma reação a uma declaração de Sadiq Khan de setembro de 2016. Para o Presidente dos EUA, o ataque em Londres é "uma grande notícia".

  • Marcelo reuniu-se com líderes europeus para falar do futuro da UE
    2:31

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta quarta-feira em Bruxelas e participou numa homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, onde colocou uma coroa de flores junto ao monumento.O Presidente da República esteve também reunido com os líderes das principais instituições europeias para falar sobre o futuro da UE.