sicnot

Perfil

Economia

Saúde reportou custo de 90 milhões com 35 horas e Finanças apuram aumento de 19 milhões

Francisco Seco

As entidades da saúde declaram precisar de "perto de 90 milhões de euros" para acomodar o regresso às 35 horas semanais, tendo as Finanças apurado um aumento de custos de 19 milhões de euros em 2016.

O Ministério das Finanças enviou esta quarta-feira informação à Assembleia da República sobre as alterações ao horário semanal de trabalho na administração pública, que passou para as 40 horas em 2013 e que regressou às 35 horas em julho de 2016.

Esta avaliação foi feita a dois tempos: numa fase inicial, o Governo fez "um levantamento junto de todos os serviços da administração pública central da situação existente em termos de recursos humanos" e procurou identificar os "impactos da redução do período normal de trabalho para 35 horas semanais exclusivamente decorrentes" desta diminuição e, numa segunda fase, fez "um processo de análise, ponderação e validação setorial dos dados obtidos pelo inquérito".

Nesta segunda fase, "foi possível equacionar" a passagem às 35 horas semanais de trabalho "acomodando a generalidade das situações ao nível dos recursos disponíveis", com exceção dos Ministérios da Saúde, da Educação e da Justiça, "que exigiram uma análise mais prolongada e detalhada".

No caso da saúde, na primeira fase desta avaliação, os serviços "registaram necessidade de acréscimo de recursos e custos" tanto a nível do número de trabalhadores como de horas suplementares, que ascenderam a "perto de 90 milhões de euros".

No entanto, após "análise, ponderação e validação setorial dos dados obtidos pelo inquérito", houve necessidade de um "diálogo bilateral" entre os ministérios das Finanças e da Saúde, que envolveu também "reuniões com os sindicatos representativos dos enfermeiros".

A conclusão a que chegaram as partes foi a de que "existe necessidade de um reforço no que respeita aos enfermeiros", o qual "deverá ter resposta na contratação faseada de mil profissionais".

No caso da educação, os estabelecimentos de ensino "declaram necessitar de um adicional de trabalhadores correspondente a um custo de cerca de 34 milhões de euros".

A solução encontrada ao longo das reuniões entre os dois ministérios passou pela "renovação de 2.621 contratos a termo resolutivo certo para o exercício de funções de assistente operacional - pessoal não docente dos agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas - que terminam em 31 de agosto de 2016, por mais um ano escolar (2016/2017)".

Além disso, foi ainda acordada "a colocação em estabelecimentos escolares dos trabalhadores em requalificação com perfil adequado para o efeito", num trabalho a desenvolver pelas duas tutelas para reforçar o número de assistentes operacionais disponíveis para o apoio e enquadramento dos alunos dos ensinos básico e secundário.

Relativamente ao Ministério da Justiça, a dificuldade colocava-se sobretudo quanto aos guardas prisionais, que trabalham por turnos, e, "de acordo com a avaliação realizada pela tutela, a melhor solução reside no reforço da dotação para trabalho suplementar".

Assim, as Finanças concluíram que os custos decorrentes da reposição das 35 horas estão "concentrados na área da saúde, que prevê um acréscimo de 19 milhões de euros com a medida", uma verba que diz estar "dentro da reserva orçamental definida em matéria de Orçamento do Estado para 2016" e um aumento que "será compensado com alterações orgânicas que geram poupanças nas entidades envolvidas".

Lusa

  • Haja saúde
    11:41

    Reportagem Especial

    Neste momento, há milhares de médicos em falta no interior do país, aumentando assim o número de doentes em listas de espera para consultas ou intervenções que ultrapassam os seis meses. O novo programa de incentivos lançado pelo Ministério da Saúde entrou este domingo em vigor.

  • Enfermeiros vão processar o Estado português
    1:55

    País

    A Ordem dos Enfermeiros vai processar o Estado português. Apesar de ter entrado em vigor a passagem das 40 para as 35 horas semanais de trabalho, há ainda cerca de 13 mil enfermeiros a trabalharem 40 horas, mas a ganharem o mesmo que os que trabalham 35 horas.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.