sicnot

Perfil

Economia

PCP recebe hoje representantes dos trabalhadores da Carris

Francisco Seco

O PCP recebe esta quinta-feira as Organizações Representativas dos Trabalhadores (ORT) da Carris "para um encontro alargado" sobre a municipalização da transportadora que passou a ser gerida pela autarquia de Lisboa na quarta-feira.

O partido comunista apresentou na sexta-feira um pedido de apreciação parlamentar do diploma que dá "luz verde" à passagem da gestão da Carris para a Câmara de Lisboa, tendo mais tarde esclarecido que vai acompanhado de uma proposta de alteração e não de cessação de vigência do decreto.

A decisão do PCP não agradou à Comissão de Trabalhadores da Carris e a três estruturas sindicais - Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA), Sindicato Nacional dos Motoristas (SNM) e Associação Sindical do Pessoal de Tráfego da Carris (ASPTC) -, que defendem que a municipalização da Carris "é a solução que melhor serve os trabalhadores, a empresa e o serviço que esta presta".

Apesar disso, reconheceram ser "legítimo e legal" o pedido de apreciação feito pelo PCP.O partido comunista, que se mostrou desde sempre contra a municipalização da transportadora rodoviária que serve a Grande Lisboa, admitiu existirem "soluções, desde que haja interesse e vontade".

A apreciação parlamentar pedida pelo PCP foi agendada no parlamento para 24 de fevereiro.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina (PS), considerou, entretanto, que a iniciativa comunista é "só um debate, um diálogo", que será travado com confiança e convergência entre parceiros.

Entretanto, na quarta-feira, o PSD admitiu apresentar propostas de alteração ou até a cessação de vigência.

"Não deixaremos de participar de uma forma muito ativa na discussão e de utilizar todos os meios regimentais, sejam propostas de alteração seja mesmo a cessação de vigência", disse o líder da bancada parlamentar social-democrata, Luís Montenegro.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC