sicnot

Perfil

Economia

Regulador espanhol multa EDP Energia em 900 mil euros

A Comissão espanhola dos Mercados e da Concorrência (CNMC) multou a EDP Energia em 900 mil euros por "infração grave" dos direitos dos consumidores, ao ter penalizado um cliente que trocou de operadora, dentro das regras previstas legalmente.

Segundo uma nota de imprensa publicada na sua página oficial, o regulador do mercado espanhol decidiu aplicar a multa depois de descobrir que este tipo de sanções, por mudança de operador, estão previstas em todos os contratos de baixa tensão de clientes não domésticos da EDP Energia.

A CNMC começou a investigar a elétrica portuguesa em setembro de 2014, quando teve conhecimento de que uma empresa tinha sido penalizada com 2.400 euros depois de mudar da EDP Energia para outra empresa comercializadora, através da 'indeminização segundo contrato de resolução anticipada'.

O cliente, afirma a CNMC, cumpriu o aviso de 15 dias estabelecido na lei para o fim do contrato, pelo que a imposição de uma penalização neste caso constitui "uma infração grave, punível com 900 mil euros".

O regulador obrigou ainda a EDP Energia a modificar as cláusulas primeira e 16ª dos contratos de fornecimento de baixa tensão para incluir uma série de condições em caso de rescisão do contrato por parte do utilizador.A EDP Energia tem agora dois meses para interpor recurso.

Lusa


  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.