sicnot

Perfil

Economia

Metro do Porto transportou 58 milhões de clientes em 2016

(Lusa/Arquivo)

LUSA

O presidente do conselho de administração da Metro do Porto, Jorge Delgado, revelou esta terça-feira terem sido transportados 58 milhões de clientes em 2016, ano em que a taxa de cobertura se cifrou em 114%.

Em conferência de imprensa realizada esta manhã para anunciar a construção de linhas no Porto e em Gaia no âmbito da expansão da rede, Jorge Delgado adiantou ainda que a Metro registou um EBITDA (resultados antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) em 2016 de 13,8 milhões de euros.

Com estes números, a Metro do Porto teve assim em 2016, em que foram repostos quatro feriados, o melhor ano em termos de procura, com um crescimento de 0,4% face a 2015, quando registou 57,7 milhões de validações.

A taxa de cobertura (dos custos diretos de operação pela receita de bilhética) em 2016 foi também superior, já que em 2015 se cifrou em 105,9%.

Jorge Delgado disse ainda que o Metro do Porto permitiu no ano passado retirar "12 mil carros/dia da rua" e evitou a emissão de "55 mil toneladas de CO2".

O "índice de satisfação dos clientes" em 2016 foi "elevado", disse.

O presidente da empresa destacou o facto de o metro ser "um projeto completamente consolidado e reconhecido" e previu que até ao verão deste ano esteja construída a sua 82.ª estação, em Modivas, concelho de Vila do Conde.

Quanto aos critérios definidos para a expansão da rede, anunciada esta terça-feira, Jorge Delgado destacou a cobertura de zonas chave, bem como a preocupação de escolher linhas que se encaixassem na dotação orçamental disponível (cerca de 290 milhões de euros) e que correspondessem a uma taxa de cobertura superior a 90%.

O conselho de administração da Metro do Porto decidiu e anunciou hoje as novas linhas a construir na Área Metropolitana do Porto (AMP) entre 2018 e 2021, designadamente a nova linha Rosa, entre a Casa da Música e a estação de S. Bento, no Porto, e a extensão da Linha Amarela até Vila D'Este, em Gaia.

"As outras linhas ou combinação de linhas [que foram estudadas] têm uma performance pior", afirmou Jorge Delgado.

Neste processo, a Metro do Porto decidiu "revisitar" as linhas que estavam já projetadas para a expansão da 2.ª fase da rede, em 2011, designadamente Matosinhos Sul -- Estação de S. Bento, via Campo Alegre (Porto), Fonte do Cuco -- Polo Universitário (Porto), Campanhã -- Valbom (Gondomar), Santo Ovídeo -- Vila D'Este (Gaia), Casa da Música - Devesas (Gaia, com nova ponte), ISMAI -- Trofa e FEUP -- Maia.
A Metro do Porto é detida a 60% pelo Estado, sendo os restantes 40% da Área Metropolitana do Porto.

Lusa

  • Marcelo não comenta proposta sobre nomeação do governador do BdP
    0:14

    Economia

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar a proposta do grupo de trabalho para a reforma da supervisão financeira, que recomenda que o governador do Banco de Portugal seja nomeado pelo Presidente da República. Marcelo não quis comentar o assunto esta quarta-feira durante a tomada de posse do Reitor da Universidade de Lisboa.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.