sicnot

Perfil

Economia

Oferta do espanhol Caixabank sobre o BPI termina hoje

© Rafael Marchante / Reuters

A Oferta Pública de Aquisição (OPA) do espanhol Caixabank sobre a totalidade do capital social do BPI termina esta terça-feira, sendo os resultados conhecidos esta quarta-feira.

A OPA do CaixaBank, que já é o maior acionista do BPI, arrancou a 17 de janeiro, oferecendo o banco espanhol 1,134 euros por cada ação do BPI, e terminará esta terça-feira pelas 15:30.

Esta quarta-feira será conhecido se os atuais acionistas do banco aceitaram vender os seus títulos ou se optaram por manter a sua posição.

O maior acionista do BPI é precisamente o grupo bancário catalão Caixabank, com 45,50% do capital, seguindo-se a "holding" angolana Santoro, de Isabel dos Santos, com 18,6%.

Entre os principais "donos" do banco estão ainda a seguradora Allianz (8,4%) e o grupo Violas Ferreira Financial (2,7%), o maior acionista português do BPI.

A OPA do CaixaBank sobre o BPI foi anunciada em abril do ano passado pelo grupo bancário espanhol, no meio de um conflito que o opôs durante o último ano aos angolanos da "holding" Santoro, tanto por causa da exposição a Angola, como por causa da desblindagem dos estatutos (regra existente no BPI que impedia qualquer acionista de votar com mais de 20%, independentemente da participação que detivesse).

Os espanhóis ofereceram então 1,113 euros por ação, avaliando o banco em 1600 milhões de euros, mas condicionaram a oferta à eliminação dos limites aos direitos de voto dos acionistas, o que só viria a acontecer em setembro e graças a um diploma do Governo que facilita essa mudança nos bancos.

Com a desblindagem de estatutos no BPI, o CaixaBank passou então a exercer efetivamente os 45% de participação detida e a OPA passou de voluntária a obrigatória e sobre a totalidade do capital social (100%), tendo o banco espanhol aumentado o valor oferecido por ação para 1,134 euros.

Mais recentemente, em dezembro, o BPI conseguiu ainda reduzir o excesso de exposição a Angola (como exigido pelo Banco Central Europeu), depois de os acionistas terem aceitado vender 2% do Banco de Fomento de Angola (BFA) à operadora angolana Unitel, por 28 milhões de euros.

Esta operação foi já concretizada em janeiro e faz com que a Unitel (empresa também controlada por Isabel dos Santos) passe a ter a maioria do capital do BFA (51,9%), enquanto o BPI ficou com 48,1%.

O preço oferecido pelo CaixaBank nesta OPA foi criticado por vários pequenos acionistas, que o consideram muito baixo e que não paga a perda de controlo do Banco de Fomento de Angola.

Lusa

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John Mccain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06
  • Menos casos de sida em Portugal
    1:44