sicnot

Perfil

Economia

Oferta do espanhol Caixabank sobre o BPI termina hoje

© Rafael Marchante / Reuters

A Oferta Pública de Aquisição (OPA) do espanhol Caixabank sobre a totalidade do capital social do BPI termina esta terça-feira, sendo os resultados conhecidos esta quarta-feira.

A OPA do CaixaBank, que já é o maior acionista do BPI, arrancou a 17 de janeiro, oferecendo o banco espanhol 1,134 euros por cada ação do BPI, e terminará esta terça-feira pelas 15:30.

Esta quarta-feira será conhecido se os atuais acionistas do banco aceitaram vender os seus títulos ou se optaram por manter a sua posição.

O maior acionista do BPI é precisamente o grupo bancário catalão Caixabank, com 45,50% do capital, seguindo-se a "holding" angolana Santoro, de Isabel dos Santos, com 18,6%.

Entre os principais "donos" do banco estão ainda a seguradora Allianz (8,4%) e o grupo Violas Ferreira Financial (2,7%), o maior acionista português do BPI.

A OPA do CaixaBank sobre o BPI foi anunciada em abril do ano passado pelo grupo bancário espanhol, no meio de um conflito que o opôs durante o último ano aos angolanos da "holding" Santoro, tanto por causa da exposição a Angola, como por causa da desblindagem dos estatutos (regra existente no BPI que impedia qualquer acionista de votar com mais de 20%, independentemente da participação que detivesse).

Os espanhóis ofereceram então 1,113 euros por ação, avaliando o banco em 1600 milhões de euros, mas condicionaram a oferta à eliminação dos limites aos direitos de voto dos acionistas, o que só viria a acontecer em setembro e graças a um diploma do Governo que facilita essa mudança nos bancos.

Com a desblindagem de estatutos no BPI, o CaixaBank passou então a exercer efetivamente os 45% de participação detida e a OPA passou de voluntária a obrigatória e sobre a totalidade do capital social (100%), tendo o banco espanhol aumentado o valor oferecido por ação para 1,134 euros.

Mais recentemente, em dezembro, o BPI conseguiu ainda reduzir o excesso de exposição a Angola (como exigido pelo Banco Central Europeu), depois de os acionistas terem aceitado vender 2% do Banco de Fomento de Angola (BFA) à operadora angolana Unitel, por 28 milhões de euros.

Esta operação foi já concretizada em janeiro e faz com que a Unitel (empresa também controlada por Isabel dos Santos) passe a ter a maioria do capital do BFA (51,9%), enquanto o BPI ficou com 48,1%.

O preço oferecido pelo CaixaBank nesta OPA foi criticado por vários pequenos acionistas, que o consideram muito baixo e que não paga a perda de controlo do Banco de Fomento de Angola.

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50