sicnot

Perfil

Economia

Taxa de desemprego baixa para os 11,1% em 2016

A taxa de desemprego em 2016 desceu 1,3 pontos percentuais face a 2015, para os 11,1%, abaixo da estimativa do Governo. No quarto trimestre, manteve-se inalterada nos 10,5%, divulgou hoje o INE.

No Orçamento do Estado para 2017, o Governo estimava que a taxa de desemprego se fixasse em 11,2% em 2016 e que baixasse para os 10,4% este ano.

Em 2015, a taxa de desemprego ficou nos 12,4%.

De acordo com as Estatísticas do Emprego hoje divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em termos de média anual, a taxa de desemprego de jovens (15 a 24 anos) situou-se em 28%, menos 4 pontos percentuais em relação ao ano anterior.

A população desempregada, estimada em 573 mil pessoas em 2016, diminuiu 11,4% em relação ao ano anterior (menos 73,5 mil) e a proporção de desempregados à procura de emprego há 12 e mais meses (longa duração) foi de 62,1%, tendo diminuído 1,5 pontos percentuais em relação ao ano anterior.

Já a população empregada, estimada em 4,605 milhões de pessoas, registou um acréscimo anual de 1,2% (mais 56,5 mil), com a taxa de atividade da população em idade ativa a situar-se em 58,5%, valor inferior em 0,1 pontos percentuais ao observado em 2015.

Segundo o INE, para a variação anual da população desempregada contribuíram os decréscimos nas mulheres (41,5 mil para 12,8%) e homens (32 mil para 9,9%), com todos os grupos etários em análise a baixarem, com destaque para as pessoas dos 35 aos 44 anos (26,3 mil para 17,8%).

Também todos os níveis de escolaridade desceram a sua taxa de desemprego, sobretudo o das pessoas com um nível de escolaridade completo correspondente, no máximo, ao 3.º ciclo do ensino básico (48,5 mil, para 14), à procura de novo emprego (59 mil para 10,4%), provenientes do setor dos serviços (37,4 mil para 10,6%) e à procura de emprego há 12 e mais meses (55 mil para 13,4%).

A população inativa com 15 e mais anos, por sua vez, situou-se em 3,680 milhões de pessoas, aumentando 0,3% face a 2015 (9,4 mil), com a taxa de inatividade - relação entre a população inativa em idade ativa (com 15 e mais anos) e a população total em idade ativa (com 15 e mais anos) -- a subir 0,1 pontos percentuais para 41,5%.

Por regiões, em 2016, as taxas de desemprego mais elevadas, e superiores à média nacional, foram observadas na Madeira (12,9%), Alentejo (12,1%), Norte (12,0%) e Área Metropolitana de Lisboa (11,9%).

Abaixo da média nacional, situavam-se as taxas de desemprego nos Açores (11,1%), Algarve (9,2%) e Centro (8,4%).

Em relação a 2015, e à semelhança do observado globalmente para Portugal, a taxa de desemprego diminuiu em todas as regiões, com as duas maiores diminuições a ocorrerem no Algarve (3,3 pontos percentuais) e na Madeira (1,8 pontos percentuais).

Segundo o INE, considerando apenas o quarto trimestre, a taxa de desemprego fixou-se nos 10,5%, mantendo-se inalterada face ao trimestre anterior e recuando 1,7 pontos percentuais face ao trimestre homólogo de 2015.

A população desempregada, estimada em 543,2 mil pessoas, registou uma diminuição trimestral de 1,2% (menos 6,3 mil pessoas) e uma diminuição homóloga de 14,3% (menos 90,7 mil).

A população empregada, estimada em 4,644 milhões de pessoas, registou um decréscimo trimestral de 0,4% (menos 17,9 mil) e um acréscimo homólogo de 1,8% (mais 82,1 mil).

Com Lusa

  • Incêndio na Sertã "está para durar"
    3:32

    País

    Mais de 700 operacionais combatem o incêndio com três frentes ativas, na Sertã. A jornalista da SIC, Patrícia Figueiredo, esteve junto a Relva da Louça, em Proença-a-Nova, onde avançou que a "situação está complicada" e que as chamas estão quase a alcançar a localidade. A jornalista dá conta ainda de várias equipas da Proteção Civil a ajudar os bombeiros e do seu trabalho dificultado por causa do vento.

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.

  • Projéteis com bolsas de água ajudam Israel a combater os fogos
    3:34

    Mundo

    Israel tem sido afetado por graves incêndios nos últimos meses. Várias empresas de armamento têm-se dedicado à luta contra o fogo e criaram, recentemente, uma nova arma para apagar fogos: um míssil de água, fabricado pela indústria de material de guerra, que tem ajudado bastante os bombeiros israelitas. A reportagem do correspondente da SIC no Médio Oriente, Henrique Cymerman, mostra-nos como funcionam os projéteis de água.

    Henrique Cymerman

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15