sicnot

Perfil

Economia

Vieira da Silva quer taxa de desemprego abaixo dos 10% este ano

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, disse hoje que o objetivo para este ano é ter a taxa de desemprego abaixo dos 10%, depois de em 2016 ter superado as expectativas.

"Podemos ter a expectativa bem fundada de que em 2017 vamos ter, de facto, a continuação da trajetória positiva e, finalmente, voltar a ter uma taxa de desemprego abaixo dos 10%, obviamente que esse não é o limite, o limite é reduzirmos o desemprego até ao mínimo possível", afirmou à margem da cerimónia pública do Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio 2016, no Porto.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou hoje que a taxa de desemprego média global apurada para 2016 desceu 1,3 pontos percentuais face a 2015, para os 11,1%, abaixo da estimativa do Governo, mantendo-se inalterada no quarto trimestre, nos 10,5%.

O comportamento da taxa de desemprego para o conjunto de 2016 ficou assim em linha com o esperado pelos analistas contactados pela agência Lusa, que apontavam para que ficasse entre os 11% e os 11,1%.

Em 2015, a taxa de desemprego ficou nos 12,4%.

"O ano de 2016 superou as expectativas na generalidade dos observadores e das instituições que fazem previsões sobre a economia portuguesa e até do próprio Governo no que toca à criação de emprego e diminuição do desemprego", referiu o governante.

Pelo facto de o ano passado ter corrido de forma positiva, realidade confirmada pelos dados do último trimestre, Vieira da Silva disse acreditar que este ano essa evolução favorável irá continuar.

Lusa


  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.