sicnot

Perfil

Economia

Estado revê em alta reembolso antecipado ao FMI este ano para 1,7 mil M€

O Estado português espera agora reembolsar antecipadamente 1,7 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI) este ano, um valor que está acima do previsto em janeiro, de acordo com uma nota do IGCP.

O IGCP publica mensalmente uma nota aos investidores e, no relatório de fevereiro que foi recentemente publicado, o IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida indica que pretende devolver 1,7 mil milhões de euros ao FMI em 2017, acima da estimativa de janeiro de serem devolvidos apenas 1,5 mil milhões de euros.

Esta revisão em alta do valor a devolver ao FMI em 2017 é acompanhada por aumento das necessidades de financiamento, que a agência liderada por Cristina Casalinho espera agora que totalizem os 21,1 mil milhões de euros (mais 800 milhões de euros do que há um mês).

Para 2018 e para 2019, continua a prever-se o reembolso de 3,5 mil milhões e 1,5 mil milhões de euros, respetivamente, e, para 2020, o IGCP antecipa a devolução de 2,5 mil milhões de euros (quando em janeiro esperava reembolsar 2,7 mil milhões de euros).

Em novembro do ano passado foi realizado o último reembolso antecipado ao FMI, no valor de 2 mil milhões de euros, tendo o Governo na altura afirmado que o Estado português já amortizou antecipadamente 42,6% do empréstimo total inicial.

O Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) terminou em maio de 2014, mas tanto o FMI como a Comissão Europeia vão manter missões regulares a Portugal até que o país reembolse a maioria dos empréstimos.

As regras europeias determinam que quando um país conclui um programa de assistência permanece sob vigilância até que pague pelo menos 75% do montante recebido, havendo missões duas vezes por ano.

Já no caso do FMI, as regras dos processos de monitorização pós-programa determinam que os países ficam obrigados a este acompanhamento até que a dívida por pagar seja inferior a 200% da respetiva quota no Fundo.

Lusa

  • Novas imagens dos momentos após Khalid Masood ter embatido no muro do Parlamento britânico
    1:35
  • Parlamento português pede demissão de Dijsselbloem

    País

    A Assembleia da República foi hoje unânime na condenação das polémicas declarações do presidente do Eurogrupo, mas recusou um ponto pela rejeição de diversos compromissos com a União Europeia (UE) exigida pelo PCP.

  • Comissão Europeia quer proibir o tabaco na praia

    País

    A Comissão Europeia quer proibir o tabaco em todos os espaços públicos, incluindo praias, parques infantis e equipamentos desportivos. A proposta foi apresentada pelo comissário da Saúde e Segurança Alimentar que, além de querer reduzir a dependência do tabaco, também sugere que todos os estados membros apliquem uma idade mínima para a venda de tabaco.

  • Como se resolve a falta de espaço numa cidade chinesa?
    1:07