sicnot

Perfil

Economia

Estado revê em alta reembolso antecipado ao FMI este ano para 1,7 mil M€

O Estado português espera agora reembolsar antecipadamente 1,7 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI) este ano, um valor que está acima do previsto em janeiro, de acordo com uma nota do IGCP.

O IGCP publica mensalmente uma nota aos investidores e, no relatório de fevereiro que foi recentemente publicado, o IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida indica que pretende devolver 1,7 mil milhões de euros ao FMI em 2017, acima da estimativa de janeiro de serem devolvidos apenas 1,5 mil milhões de euros.

Esta revisão em alta do valor a devolver ao FMI em 2017 é acompanhada por aumento das necessidades de financiamento, que a agência liderada por Cristina Casalinho espera agora que totalizem os 21,1 mil milhões de euros (mais 800 milhões de euros do que há um mês).

Para 2018 e para 2019, continua a prever-se o reembolso de 3,5 mil milhões e 1,5 mil milhões de euros, respetivamente, e, para 2020, o IGCP antecipa a devolução de 2,5 mil milhões de euros (quando em janeiro esperava reembolsar 2,7 mil milhões de euros).

Em novembro do ano passado foi realizado o último reembolso antecipado ao FMI, no valor de 2 mil milhões de euros, tendo o Governo na altura afirmado que o Estado português já amortizou antecipadamente 42,6% do empréstimo total inicial.

O Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) terminou em maio de 2014, mas tanto o FMI como a Comissão Europeia vão manter missões regulares a Portugal até que o país reembolse a maioria dos empréstimos.

As regras europeias determinam que quando um país conclui um programa de assistência permanece sob vigilância até que pague pelo menos 75% do montante recebido, havendo missões duas vezes por ano.

Já no caso do FMI, as regras dos processos de monitorização pós-programa determinam que os países ficam obrigados a este acompanhamento até que a dívida por pagar seja inferior a 200% da respetiva quota no Fundo.

Lusa

  • PS e BE não propõem alívio da dívida à UE
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à União europeia e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta dos partidos para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido qualquer perdão de dívida, ao contrário do que os partidos mais à esquerda chegaram a defender.

  • Antigos ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo MP
    1:54

    Operação Marquês

    Quatro antigos ministros de Governos de José Sócrates foram ouvidos recentemente pelo Ministério Público (MP), no âmbito da Operação Marquês. Mário Lino, António Mendonça, Teixeira dos Santos e Luís Campos e Cunha foram ouvidos como testemunhas. Os investigadores chamaram os antigos governantes para esclarecer decisões relacionadas com a PT.

    Notícia SIC

  • Suspeito de atropelamento mortal diz que foi mero acidente 
    2:00
  • Confrontos na primeira greve geral no Brasil em 21 anos
    1:34
  • "Está na altura de pressionarmos a Coreia do Norte"
    0:45

    Mundo

    O secretário de estado norte-americano, Rex Tillerson, afirmou esta sexta-feira na ONU que a ameaça da Coreia do Norte é real e pediu que o conselho de segurança da ONU tome medidas antes que seja o regime de pyongyang a fazê-lo.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre após a cirurgia

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.