sicnot

Perfil

Economia

Iberdrola assina hoje projeto de construção do Sistema Eletroprodutor do Tâmega

Andres Kudacki

A Iberdrola apresenta esta quinta-feira o Sistema Eletroprodutor do Tâmega. Este é um investimento de 1.500 milhões de Euros que contempla a construção de três barragens: Daivões, Gouvães e Alto Tâmega.

A Iberdrola é uma empresa espanhola de produção de energia através de fontes renováveis e o lançamento deste projeto remonta a 2008, quando a empresa "entregou" 303 milhões de euros ao Governo de Sócrates.

O plano inicial era construir no Tâmega um complexo hidroelétrico com quatro centrais: Gouvães, Alto Tâmega, Daivões e Padroselos. A última acabou por ser retirada do projeto por questões ambientais.

Em 2014, a Iberdrola firmou o contrato de concessão, mas só agora o projeto começa a sair do papel. Esta quinta-feira a Iberdrola assina formalmente o arranque das construções para as barragens, que ficarão na sua "mão" durante 70 anos.

O projeto inclui a construção de duas cavernas onde serão colocados quatro geradores de 220 kilowatts cada e vários transformadores.

A empresa espera que este projeto crie no norte de Portugal mais de 13 mil empregos, diretos e indiretos, sublinhando que se trata do maior projeto industrial no setor elétrico português.

  • Barragens da Iberdrola são "uma fraude", denuncia Joanaz de Melo
    0:48

    Opinião

    O professor de Engenharia do Ambiente, Joanaz de Melo, diz que a construção de três barragens pelos espanhóis da Iberdrola no norte do país "é uma fraude" que vai encarecer a fatura da luz entre 2% a 3%. Segundo o presidente do Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA), o empreendimento é irrelevante na produção de energia elétrica e vai afectar a economia local do Tâmega.

  • "Há alternativas muitíssimos melhores"
    6:30

    Edição da Manhã

    A Iberdrola apresenta hoje o Sistema Eletroprodutor do Tâmega, um investimento de 1.500 milhões de Euros que contempla a construção de três barragens: Daivões, Gouvães e Alto Tâmega. Joanaz de Melo, do GEOTA, esteve na Edição da Manhã de hoje para falar sobre o projeto.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11