sicnot

Perfil

Economia

PCP defende contratação coletiva amanhã em debate parlamentar de urgência

© Rafael Marchante / Reuters

O PCP vai defender sexta-feira no parlamento o direito dos trabalhadores à contratação coletiva e a revisão da legislação laboral para ser reposto o princípio do tratamento mais favorável e retirada a possibilidade de caducidade dos contratos coletivos.

"Pela sua importância e atualidade, queremos voltar a insistir que a contratação coletiva é um direito dos trabalhadores", disse à agência Lusa a deputada comunista Rita Rato.

Rita Rato salientou que "é a contratação coletiva que consagra direitos que não estão em nenhum outro lado".

Por isso, o PCP vai defender no debate de urgência de sexta-feira que "nenhum contrato coletivo pode caducar sem ser substituído por outro", para evitar que os trabalhadores por ele abrangidos fiquem apenas cobertos pelo Código do Trabalho.

O PCP vai ainda defender no debate parlamentar que seja reposto no Código do Trabalho o princípio do tratamento mais favorável, que impede a aplicação de condições de trabalho inferiores às determinadas na lei geral de trabalho.

O grupo parlamentar comunista requereu o debate de urgência de sexta-feira depois de ter apresentado em abril uma proposta de decreto-lei para repor o princípio do tratamento mais favorável e regular a sucessão de convenções coletivas de trabalho, procedendo à 9.ª alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009.

Nos debates de urgência não são normalmente discutidas propostas, mas sim temas, como é o caso da contratação coletiva.

Na exposição de motivos da proposta legislativa, o PCP considera a contratação coletiva como "um direito fundamental dos trabalhadores, reconhecido como tal pela Constituição, e um importantíssimo instrumento de melhoria das condições de trabalho e para o desenvolvimento do país".

"Importa referir que os contratos coletivos de trabalho são instrumentos negociados e assinados entre sindicatos e patrões, em que as partes chegam a acordo quanto às condições de trabalho e sua remuneração, pelo que o ataque à contratação coletiva, em curso, é um ataque à liberdade negocial", dizem os deputados comunistas no documento.

No mesmo texto, o PCP acusa o anterior Governo PSD/CDS de ter aplicado "um dos mais graves ataques aos salários e direitos dos trabalhadores da história do nosso país".

"Além de atacar os salários, por via do aumento dos impostos e cortes diretos, atacou os direitos, por via de sucessivas alterações ao código do trabalho e aprofundou o ataque à contratação coletiva. A contratação coletiva está em níveis historicamente baixos", considera.

O PCP lembra, a propósito, que em 2003, antes da alteração da legislação laboral, a contratação coletiva abrangia 1 milhão e 500 mil trabalhadores, em 2013 o número de trabalhadores abrangidos pelos instrumentos de regulação coletiva de trabalho era de apenas 241 mil.

Na proposta de decreto-lei, o Partido Comunista salienta ainda que as alterações ao Código do Trabalho promovidas pelo anterior Governo PSD/CDS, reduziram "de forma significativa os prazos da caducidade e sobrevigência dos contratos coletivos de trabalho", permitindo "acelerar o fim dos contratos coletivos de trabalho e assim destruir os direitos neles consagrados para assim baixar salários e agravar a exploração".

Lusa

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03

    Mundo

    António Costa defendeu uma diplomacia pela paz. O primeiro-ministro português saiu em defesa da língua portuguesa e da presença do Brasil e da Índia no Conselho de Segurança das Nações Unidas. No discurso na Assembleia Geral da ONU, Costa salientou também o compromisso do país em relação ao multilateralismo e às questões ambientais.

  • Em Fátima só há escolas públicas no pré-escolar e 1.º ciclo
    2:48
  • "Só tive tempo de avisar o meu sogro e o meu marido e disse: corram!"
    2:17
  • Furacão Maria volta a ganhar força

    Mundo

    Apesar de ter perdido intensidade, após a passagem por Porto Rico, onde deixou um rasto de destruição, Maria voltou a ganhar força, é agora um furacão de categoria 3. Está a afetar a zona norte de Punta Cana, na República Dominicana com ventos que atingem os 90 km/há e move-se para o noroeste.

  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15
  • "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Número de tartarugas marinhas está a aumentar

    Mundo

    O número de tartarugas marinhas está a crescer, levando investigadores a considerar que os esforços para salvar estes animais são uma "história de sucesso da conservação global", indica um estudo divulgado esta quarta-feira.

  • Tubarões vivem mais tempo do que se pensava

    Mundo

    Uma revisão de dados sobre avaliação da idade dos tubarões revela que muitas espécies têm maior longevidade do que se pensava, o que poderá obrigar a uma revisão dos planos de conservação das mais ameaçadas.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.