sicnot

Perfil

Economia

Marcelo insiste que aumento do crescimento económico é "objetivo essencial"

JUAN CARLOS HIDALGO

O Presidente da República reiterou esta quinta-feira, em Madrid, que "um objetivo essencial" de Portugal nos próximos anos é "crescer mais", porque só assim será possível criar mais emprego, considerando taxas de 1,3 ou 1,4 % como "curtas".

"Há um problema. Portugal precisa de crescer mais e de criar mais emprego", disse Marcelo Rebelo de Sousa, num jantar oferecido pela Câmara do Comércio Hispano-Portuguesa, na capital espanhola, no qual estavam presentes uma centena de empresários dos dois países.

O Presidente português sublinhou que uma taxa de "crescimento de 1,3 % ou 1,4 % é curta" e insistiu que, mesmo no ano que em que se vive [2017] "uma taxa de crescimento de 1,7 % ou 1,8 % é importante", mas Portugal tem "de ir mais longe".

Segundo o Governo, o crescimento do PIB em 2016 foi superior a 1,2 % e em 2017, o Orçamento de Estado, aponta uma taxa de 1,5 %.
"O desafio é criar condições para o crescimento", insistiu Marcelo Rebelo de Sousa, acrescentando esperar que, no fim do seu mandato, em 09 de março de 2021, "o investimento privado, interno e externo tenha subido, que o crescimento tenha aumentado sustentadamente e que o emprego tenha também aumentado".

O Presidente reconheceu ainda "os méritos" do Governo anterior e do atual na descida do défice público e espera que no fim do seu mandato haja "um equilíbrio" nas contas do Estado.

O Presidente da República iniciou hoje uma deslocação de dois dias a Madrid, onde participa na sexta-feira num fórum da COTEC Europa para promover a transição para uma "Economia Circular".

No encontro da COTEC Europa também irão estar presentes os chefes de Estado de Espanha e de Itália e ainda empresários portugueses, espanhóis e italianos, além do comissário europeu da Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas.

A COTEC Europa foi criada com o objetivo de "ajudar a suprimir as especificidades características das economias do Sul e que constituem barreiras à inovação".

Lusa

  • "É preciso ir mais longe" em matéria de emprego e crescimento
    1:44

    Economia

    O Presidente da República diz que a confirmação da taxa de desemprego é boa, mas defende que é preciso ir mais longe em matéria de crescimento e emprego. Marcelo Rebelo de Sousa almoçou esta quarta-feira com refugiados na Mouraria, onde defendeu que numa altura em que alguns constroem muros Portugal tem de abrir os braços.

  • Estratégia de baixar juros da dívida a 10 anos "tem dado resultado"
    1:13

    Economia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que ao contrário do que possa parecer, esta emissão de dívida pública correu bem porque o objectivo de baixar as taxas de juro para emissões a dez anos foi cumprido. Segundo o Presidente da República, o efeito da estratégia no mercado secundário foi imediato e essa será a leitura mais importante.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.