sicnot

Perfil

Economia

Marcelo insiste que aumento do crescimento económico é "objetivo essencial"

JUAN CARLOS HIDALGO

O Presidente da República reiterou esta quinta-feira, em Madrid, que "um objetivo essencial" de Portugal nos próximos anos é "crescer mais", porque só assim será possível criar mais emprego, considerando taxas de 1,3 ou 1,4 % como "curtas".

"Há um problema. Portugal precisa de crescer mais e de criar mais emprego", disse Marcelo Rebelo de Sousa, num jantar oferecido pela Câmara do Comércio Hispano-Portuguesa, na capital espanhola, no qual estavam presentes uma centena de empresários dos dois países.

O Presidente português sublinhou que uma taxa de "crescimento de 1,3 % ou 1,4 % é curta" e insistiu que, mesmo no ano que em que se vive [2017] "uma taxa de crescimento de 1,7 % ou 1,8 % é importante", mas Portugal tem "de ir mais longe".

Segundo o Governo, o crescimento do PIB em 2016 foi superior a 1,2 % e em 2017, o Orçamento de Estado, aponta uma taxa de 1,5 %.
"O desafio é criar condições para o crescimento", insistiu Marcelo Rebelo de Sousa, acrescentando esperar que, no fim do seu mandato, em 09 de março de 2021, "o investimento privado, interno e externo tenha subido, que o crescimento tenha aumentado sustentadamente e que o emprego tenha também aumentado".

O Presidente reconheceu ainda "os méritos" do Governo anterior e do atual na descida do défice público e espera que no fim do seu mandato haja "um equilíbrio" nas contas do Estado.

O Presidente da República iniciou hoje uma deslocação de dois dias a Madrid, onde participa na sexta-feira num fórum da COTEC Europa para promover a transição para uma "Economia Circular".

No encontro da COTEC Europa também irão estar presentes os chefes de Estado de Espanha e de Itália e ainda empresários portugueses, espanhóis e italianos, além do comissário europeu da Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas.

A COTEC Europa foi criada com o objetivo de "ajudar a suprimir as especificidades características das economias do Sul e que constituem barreiras à inovação".

Lusa

  • "É preciso ir mais longe" em matéria de emprego e crescimento
    1:44

    Economia

    O Presidente da República diz que a confirmação da taxa de desemprego é boa, mas defende que é preciso ir mais longe em matéria de crescimento e emprego. Marcelo Rebelo de Sousa almoçou esta quarta-feira com refugiados na Mouraria, onde defendeu que numa altura em que alguns constroem muros Portugal tem de abrir os braços.

  • Estratégia de baixar juros da dívida a 10 anos "tem dado resultado"
    1:13

    Economia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que ao contrário do que possa parecer, esta emissão de dívida pública correu bem porque o objectivo de baixar as taxas de juro para emissões a dez anos foi cumprido. Segundo o Presidente da República, o efeito da estratégia no mercado secundário foi imediato e essa será a leitura mais importante.

  • Tribunal de Contas apresentou reservas em relação ao SIRESP em 2006

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O Tribunal de Contas avisou em 2006 que o Estado poderia sair prejudicado nos moldes em que o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) estava a ser desenhado. De acordo com a edição de hoje do Jornal de Notícias, terão sido a ausência de um concurso público, a falta de tempo para a apresentação de propostas e mexidas no caderno de encargos a motivar as reservas do tribunal.

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29
  • Bispo do Mali terá contas na Suíça com 12 M€
    1:49

    Mundo

    Há uma polémica a envolver um novo cardeal da Igreja católica. Um bispo do Mali, escolhido pelo Papa para o colégio cardinalício, está a ser relacionado com contas na Suíça onde estarão depositados milhões de euros. A cerimónia que o fará cardeal está marcada para hoje.

  • Confirmada prisão dos portugueses que gravaram nome no portão de Auschwitz

    Mundo

    Dois adolescentes católicos portugueses foram condenados a um ano de prisão com pena suspensa, por terem gravado os nomes na porta da entrada principal de Auschwitz-Birkenau. O tribunal de primeira instância de Oswiecim já tinha condenado os jovens e o tribunal de Cracóvia confirmou esta quarta-feira a pena aplicada.