sicnot

Perfil

Economia

Saída da França da zona euro pode custar mais de 30.000 M€ por ano

O governador do banco central francês advertiu hoje que o plano para a França abandonar a zona euro, prometido pela candidata à presidência Marine Le Pen, custaria ao país mais de 30 mil milhões de euros por ano.

A menos de três meses da primeira volta para as presidenciais francesas, marcada para 7 de maio, a candidata Marine Le Pen está bem colocada para passar à segunda volta, defendendo cortes na imigração, abandono da zona euro e a organização de um referendo sobre a permanência da França na União Europeia.


O governador do Banco de França, Francois Villeroy de Galhau, referiu hoje que a saída da França da zona euro aumentaria o custo do financiamento do país.


"Se estivéssemos sozinhos, ficaríamos desamparados perante a especulação do mercado financeiro e desamparados perante a pressão dos EUA sobre o dólar", disse Galhau à rádio France Inter.


"Financiar a dívida pública da França custaria mais de 30 mil milhões de euros (31 mil milhões de dólares) por ano, equivalente ao orçamento anual da defesa da França", adiantou o governador.


Galhau não deu uma análise do cálculo, mas disse que os juros da dívida da França caíram 1,5% desde que adotou a moeda única.
"Isso é muito significativo para as pessoas com empréstimos para habitação, para investimentos comerciais e para todos os contribuintes", disse o governador.


Le Pen defende que a França precisa de voltar a assumir o controlo da política monetária para fomentar o crescimento económico. A estimativa de crescimento do Produto Interno de Bruto (PIB) de França é de 1,3% em 2017, abaixo da média da zona euro (1,7%).


Galhau reconheceu que a economia francesa precisa de ser "reparada e remodelada", mas rejeitou a noção de que o euro é o responsável.


"Muitos países que partilham o euro com a França estão a ter um bom desempenho económico", afirmou Galhau, alertando para o "derrube de fundações, como do euro", que "constitui uma base muito forte em tempos incertos".

Lusa

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".